Expressões como "futebol-alegria" ou "futebol-arte" passaram longe do Estádio Bom Jesus da Lapa, ontem, em Apucarana. Com um gol "chorado" de Tainha, aos 37 minutos do segundo tempo, o Roma conseguiu arrancar a vitória contra o Rio Branco, de Paranaguá, e espantar a crise que cercava o clube, após a goleada sofrida para o Engenheiro Beltrão (4 a 1), na rodada passada.

A partida foi de poucas emoções. Exceção aos dois gols impedidos marcados pelo Rio Branco. O primeiro foi aos 21 do primeiro tempo e o segundo, aos 44, da etapa final, quando o Roma já havia marcado o gol com Tainha. No restante, foi um jogo morno, truncado e de poucas chances para ambas as equipes.

O Roma jogou boa parte da partida com um jogador a mais. O lateral Daniel foi expulso na metade do primeiro tempo. Apesar disso, o time de Apucarana não conseguiu dominar integralmente a partida. Jogando com três zagueiros, o Roma parecia temer a derrota mais do que ansiar a vitória. O juiz Roberto Lopes ajudava a deixar o jogo truncado, ignorando totalmente a lei da vantagem.

No segundo tempo, o técnico Itamar Belasalmas tirou o zagueiro Fábio Cuiabá e colocou o meia Aléssio. No entanto, o time não progrediu. Quando tudo indicava para um empate, o lateral-direito Pereira foi à linha de fundo e cruzou para a pequena área. Tainha se jogou na bola e marcou para o Roma: 1 a 0. Gol chorado, vitória chorada.