A maior ilha do Taiti tem 150 mil pessoas. Nesta quinta-feira, em jogo contra a toda poderosa Espanha, os taitianos vão jogar para mais de 70 mil torcedores no Maracanã. O time quase todo amador (são oito desempregados e só um jogador profissional no grupo que veio ao Brasil) espera ter do torcedor do Rio a mesma acolhida que recebeu em Belo Horizonte, na derrota para a Nigéria por 6 a 1, na última segunda, na estreia na Copa das Confederações.

Mesmo diante da atual campeã mundial e bicampeã europeia, o técnico Eddy Etaeta deu o recado: “Não estou aqui para jogar fechado”. O simpático treinador taitiano admitiu ser impossível uma vitória sobre os espanhóis. Mas fixou metas: tentar não tomar gol nos primeiros 30 minutos ou, quem sabe, no primeiro tempo inteiro. “Não vamos jogar na retranca. Viemos para jogar e vamos tentar atacar ao máximo, mas será difícil”, reconheceu. “Se marcarmos um gol contra a Espanha, mesmo se perdermos por 15 a 1 ou 20 a 1, já será maravilhoso.”

Etaeta confirmou uma alteração em relação ao time que jogou contra a Nigéria no Mineirão: sai o goleiro Xavier Samin, de 35 anos, e entra Mikäel Roche, de 20. Tudo faz parte do plano do técnico de dar experiência aos jogadores da sua seleção. Quando o Taiti fizer sua despedida da Copa das Confederações, contra o Uruguai, domingo, no Recife, ele deve colocar em campo todos os atletas que ainda não tiverem jogado na competição.

Depois de conquistar os torcedores mineiros na passagem por Belo Horizonte, jogadores e comissão técnica do Taiti vão distribuir na porta do hotel, horas antes do jogo desta quinta-feira, ingressos para crianças de comunidades carentes do Rio. “Tem sido um sonho para nós, amanhã será outro jogar contra a Espanha”, afirmou Etaeta. “Vamos dar para elas também algumas bolas ‘cafusa’, adoraríamos ficar com elas porque não temos com tanta qualidade assim lá no Taiti, mas será ótimo dar um presente de Natal antecipado às crianças.”

O atacante Steevy Chong-Hue, escalado para a entrevista coletiva ao lado do treinador, admitiu que todos os jogadores do Taiti querem trocar camisas com o meia espanhol Iniesta, que foi poupado e não será titular, mas pode entrar ao longo da partida. “Queremos jogar bem para mostrar ao mundo que o futebol amador tem seus valores. Esperamos que a torcida esteja ao nosso lado”, afirmou o atleta, que lamentou não ter trazido sua prancha para surfar nas praias do Rio – na manhã desta quarta-feira, o grupo foi rapidamente à areia na Barra da Tijuca.