A seleção argentina conheceu, na noite desta quinta-feira, o caminho a percorrer na primeira fase na 46ª Copa América de Futebol, que acontece no Brasil este ano. Ainda sem saber se contará com o astro Lionel Messi, a equipe terá pela frente a Colômbia, na estreia, o Paraguai e o Catar, convidado da Conmebol e anfitrião da próxima Copa do Mundo.

Desde que foi eliminado na Copa do Mundo da Rússia, Messi não participou de nenhuma partida da seleção argentina. O técnico Lionel Scaloni disse que pretende contar com o atacante do Barcelona para a competição no Brasil. “Falarei com Messi antes da convocação de março. Torço para que ele esteja, pois queremos que ele seja feliz”, disse o treinador. “Adoraria poder contar com ele.”

A presença de Messi é preocupação mundial, e não apenas dos argentinos. “Tanto eu como todos os brasileiros teríamos prazer de ver Messi no Brasil”, disse Ronaldinho Gaúcho, que jogou com o atacante no Barcelona. “Léo (Messi) é um dos maiores jogadores do mundo, se não for o maior”, exaltou.

Enquanto ainda existe a indefinição sobre a presença de Messi, Scaloni se preocupou em analisar seus adversários e reconheceu o alto nível que os times sul-americanos têm. “A Colômbia e o Paraguai são rivais complicados, e o Catar é um desconhecido. Não acho que seja o grupo mais complicado porque o Grupo C (com Uruguai, Equador, Japão e Chile) também é bem difícil.”, analisou.

A Argentina entra em campo contra a Colômbia no dia 15 de junho, na Arena Fonte Nova, em Salvador. Na rodada seguinte, encara o Paraguai, dia 19, no Mineirão, em Belo Horizonte. Por fim, enfrenta o Catar no último compromisso da primeira fase, dia 23, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.