O técnico da Venezuela, Rafael Dudamel, disse nesta quinta-feira, no Rio, que a crise política vivida no país será um incentivo para a sua seleção tentar fazer uma boa Copa América. Mesmo após ser sorteado como adversário do Brasil na fase de grupos, o treinador afirmou que quer fazer do torneio uma forma de o país esquecer os problemas.

Na Copa América, a Venezuela estará no Grupo A junto a Brasil, Bolívia e Peru, adversário da estreia. “A situação política do país é um impulso para nossos jogadores, porque queremos dar alegria à Venezuela”, disse, depois do sorteio. “Queremos que o país esteja unido, com calma em paz, e quando jogarmos, será um ótimo momento para os venezuelanos estarem unidos”, comentou.

Dudamel esteve presente em cinco edições de Copa América como goleiro e agora dirige também as seleções de base do país. O técnico estava no Chile para acompanhar a disputa do Sul-Americano Sub-20 e foi ao Rio especialmente para o sorteio. Na opinião do venezuelano, o Brasil pode ter como dificuldade na Copa América o excesso de cobrança para ser campeão. “O Brasil será muito exigido porque, pelo seu renome, está obrigado a passar à fase seguinte. Esta é a grande dificuldade que terá de enfrentar”, afirmou.

A Venezuela será o segundo adversário do Brasil. O encontro ocorrerá no 18 de junho, em Salvador. Antes disso, a equipe estreia em Porto Alegre contra o Peru e fecha a fase de grupos em Belo Horizonte, diante da Bolívia.

Para Dudamel, a seleção brasileira não pode considerar o grupo como fácil. “Não creio que o Brasil pense assim, mesmo com o respeito e capacidade do seu elenco. Cada adversário vai apresentar uma dificuldade diferente”, disse o treinador.