Aos 76 anos, com auxílio de um andador por causa de uma cirurgia que precisou refazer no fêmur e por conta de uma torção no joelho, mas sem perder a sua majestade de rei e maior jogador de futebol de todos os tempos. Foi assim que Pelé chegou no final da manhã de quinta-feira (17) para uma entrevista coletiva que marcou o lançamento de um curso de Educação Física à distância de um grupo educacional em que é embaixador. Cirúrgico nos seus comentários, Pelé falou sobre seu estado de saúde, sobre a melhora da seleção brasileira sob o comando do técnico Tite e também palpitou sobre a luta pelo título do Campeonato Brasileiro.

“Graças a Deus agora podemos dizer que está tudo bem. Ainda não dá para jogar esse mês, mas graças a Deus tenho que agradecer, pois só depois que parei de jogar tive esses problemas de cirurgias. Fiz uma cirurgia no fêmur da perna direita há um ano e meio atrás, mas infelizmente, quatro meses depois, tive que fazer uma correção, teve um equívoco e tive que ir aos Estados Unidos refazer. Isso gerou um grande atraso de quase um ano e meio sem poder usar a perna direita”, contou.

“Depois de um ano e meio, eu até estava indo no Santos fazer fisioterapia, hidroginástica e acabei torcendo o joelho esquerdo, da perna boa. Na época falei: ainda bem que não tem jogo essa semana. Graças a Deus estou recuperado das cirurgias importantes, isso atrasou um pouco (torção no joelho) e por isso estão me vendo de chuteira nova (andador). Estou fazendo fisioterapia e daqui a pouco estou pronto para jogar. O mais importante é que não tenho dor”, prosseguiu Pelé.

O futebol eficiente e a maneira organizada de atuar da seleção brasileira também foi tema para o rei do futebol. Pelé elogiou o trabalho realizado até agora pelo técnico Tite e espera que o time verde e amarelo possa chegar bem para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

“Essa seleção está boa para jogar”, disse ele. “Tivemos conversando que, nesses seis jogos que o Tite fez, a seleção foi bem, está progredindo muito, né. Uma coisa que tínhamos preocupação e que o Dunga teve muito trabalho foram os jogadores de fora (falta de tempo). O Tite conseguiu organizar o time, o time está dando confiança e o mais importante nesse grupo é que os jogadores estão se respeitando. Não tem nenhum cobra, o melhor, tem o time que está bem armado. Espero que tenhamos sorte, está praticamente classificado e no futuro chegar bem na Copa do Mundo”, emendou.

O rei do futebol comentou também sobre o Campeonato Brasileiro e, apesar de ser torcedor declarado do Santos, Pelé afirmou que dificilmente o Palmeiras deixará de conquistar a competição deste ano. “É uma boa pergunta. Aconteceu uma coisa engraçada com o Santos. Quando começou o campeonato ninguém acreditava muito no time, porque o Santos está atravessando, como todo o Brasil, dificuldades financeiras. O Santos não gastou um tostão com um grande nome. Acho que, honestamente, tirar do Palmeiras vai ser difícil. O Palmeiras não pode ter tanto azar de, com tanta vantagem, ainda perder o título”, apostou.

Questionado por um jornalista gaúcho sobre a situação do Internacional, de um possível rebaixamento para a segunda divisão, Pelé espera que o colorado gaúcho permaneça na Série A. “Gosto muito de futebol, tento entender futebol, mas não sou Jesus Cristo (para saber se o Inter cai para a Série B). É triste pensar assim e espero que não desça”, continuou.

Encontro

Pelé participou de outros compromissos profissionais em Curitiba e encontrou, à noite, o juiz Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava-Jato. O rei do futebol elogiou o trabalho realizado por Moro, sobretudo pela responsabilidade que tem nas mãos para acabar com a corrupção no Brasil. “Sou um homem de Três Corações e pelo que ele está aguentando, ele é um homem de três corações. Não é brincadeira a responsabilidade que ele tem. O que podia passar a ele é que ele tivesse condições de saúde e físicas, a ajuda de Deus para resolver nossos problemas aqui no Brasil”, arrematou.