São Paulo – Carlitos Tevez conseguiu tirar o foco do pescoço do técnico Márcio Bittencourt. O capitão e principal astro do Corinthians revelou ontem não ter mais vontade de continuar no futebol brasileiro. A razão: ele se diz perseguido pelos árbitros e não está conseguindo demonstrar o seu talento porque se sente pressionado em todas as partidas no País. A declaração bombástica veio um dia depois de seu compatriota Sebá ter acusado o árbitro Edilson Pereira de Carvalho de tê-lo xingado no clássico contra o São Paulo.

?Não querem que um argentino vença no futebol brasileiro. Não tenho mais vontade de continuar aqui se os juízes continuarem a me perseguir. Sou xingado em todas as partidas. Contra o São Paulo, o juiz não xingou só o Sebá. Também fui xingado de ?gringo de m…?. É constrangedor vir até a imprensa reclamar sobre isso, mas não consigo mais jogar tranqüilo. Se for para continuar assim, prefiro ir jogar na Europa?, disse Tevez, surpreendendo dirigentes do Corinthians e da MSI. ?Tenho coragem para falar sobre o que os juízes fazem comigo. Eles não têm coragem de assumir o que falam.?

Apesar da gravidade da declaração, Tevez aparentava calma. ?Não estou fazendo só uma ameaça. Estou dizendo o que está acontecendo. Não é desculpa. Como é que alguém pode jogar se é xingado e perseguido em todos os jogos? Não esperava que isso fosse acontecer no Brasil. Na Argentina o jogador brasileiro pode mostrar o seu futebol. Aqui não há interesse que o argentino se destaque…?, acusou o jogador, que foi contratado no final do ano passado por US$ 22 milhões.

Além das ofensas, Carlitos creditou o excessivo número de cartões que leva à perseguição dos árbitros. ?Contra o Goiás (pela Copa Sul-Americana), apanhei o jogo todo e fui expulso. Não podemos fazer faltas que levamos cartões.?

?Não falei com o Kia ou qualquer outro dirigente do Corinthians sobre esta minha vontade de sair. Achava que cumpriria os cinco anos do meu contrato. Mas não sei até quando vou suportar e isso não é definitivo, pois o time precisa de nós e minha vontade é ser campeão brasileiro pelo Corinthians?, disse o jogador.

Tevez disse que o preconceito, assim que ele chegou ao País, era dos jogadores de outros clubes. ?Sei o que vivi no começo. Agora, são só os árbitros?, garantiu.

A diretoria do Corinthians pediu que integrantes do STJD acompanhem os jogos do clube. A intenção é mostrar que Tevez é perseguido. Os árbitros, além de ofendê-lo, deixariam os zagueiros chutá-lo à vontade.

Polêmica

Além das reclamações em relação à arbitragem, Carlitos resolveu alfinetar as assistentes do clássico da última quarta-feira. Para o atleta, jogos importantes não podem ser auxiliados por mulheres. ?Deveríamos ter dois homens em um confronto como este. Eles têm mais pulso em situações de tensão.?

Ontem, Tevez foi dar entrevista coletiva com agasalho do Manchester United. Um repórter de rádio achou estranha a vestimenta do capitão do Corinthians. Ele imediatamente tirou a blusa. ?Sou jogador da Nike. Ganhei essa blusa. Achei que só não poderia colocar camisa dos rivais brasileiros. Mas eu tiro?, justificou.

Márcio com os dias contados

São Paulo – Márcio Bittencourt amanheceu hoje como técnico do Corinthians, mas está com os dias contados. A vontade de trocá-lo é atualmente um dos poucos pontos de convergência entre o presidente do clube, Alberto Dualib, e o da MSI, Kia Joorabchian.

Há, porém, três motivos que dão uma sobrevida ao treinador. Um deles parece brincadeira, mas conta: não passar ao São Paulo o atestado de, mais uma vez, ter sido o responsável pela queda de um técnico corintiano. Os outros dois são mais ?sérios?: Dualib está em Londres, provavelmente não voltará antes do domingo e não admite que o técnico seja degolado em sua ausência, o que representaria um sinal de desprestígio; e não há consenso em relação ao nome ideal para substituir o inexperiente treinador.

Assim, Márcio deverá dirigir o time domingo, na partida contra o Atlético-PR, no Pacaembu, e caso vença pode ganhar até uma sobrevida maior.

Dualib gostaria de contratar um técnico de ?pulso?, como Antônio Lopes, Abel Braga (diz que não sai do Fluminense) ou Nelsinho Baptista (garante que vai cumprir seu contrato com o Nagoya Grampus japonês). Kia sonha sonhos impossíveis, pois não dependem apenas de dinheiro: Vanderlei Luxemburgo ou Luiz Felipe Scolari.