São Paulo – A apresentação de gala no clássico contra o Palmeiras no domingo trouxe uma preocupação para o atacante Thiago, do São Paulo: manter a humildade. Após a partida, parte da imprensa chegou a compará-lo a Careca e Kaká, que tiveram ascensão meteórica no clube a partir de boas apresentações em clássicos, mas o jogador tratou de evitar qualquer comparação. ?Não gosto muito desse negócio. Acaba pegando mal e você pode ficar com a fama de mascarado?, explicou o jogador. ?Melhor é deixar os outros falarem.?

Mas, se por um lado Thiago não gosta de ter seu futebol avaliado a partir de outros jogadores, por outro não esconde que algumas carreiras de sucesso o inspiram a evoluir na profissão. ?É lógico que quero ser tão bem-sucedido quanto o Kaká foi aqui no São Paulo, por exemplo?, disse. ?Agora, entre os atacantes, o que mais admiro é o Ronaldo.?

Thiago diz ainda não saber se o desempenho no clássico, o melhor de toda a carreira em sua opinião, será suficiente para garantir vaga permanente no time principal do São Paulo. ?O importante é que tive a oportunidade de atuar nesses primeiros jogos como titular. Daqui para frente, é dar continuidade ao trabalho e deixar por conta do Muricy a decisão de me manter na equipe.?

As mudanças na rotina após o clássico foram poucas. Do Morumbi, o jogador foi direto para o Centro de Treinamento da Barra Funda, onde mora. ?Foi legal. Recebi telefonemas dos meus pais, que moram em Pontes Gestal (cidade perto de São José do Rio Preto), e dos meus amigos, que me deram os parabéns. Na segunda-feira pela manhã, fui à casa de um amigo.? À tarde, o jogador fez fisioterapia para diminuir as dores por causa de uma pancada no pé direito, que não deverá tirá-lo do jogo contra a Portuguesa.

Contagem regressiva

Desta semana não passa. O médico José Sanches disse que o goleiro Rogério Ceni, que passou por uma artroscopia no joelho esquerdo há algumas semanas, pode voltar a jogar na quinta-feira ou no domingo. ?A tendência é essa. Devemos definir isso até quarta-feira?, disse o médico. A maior preocupação, segundo ele, é avaliar se a musculatura da região operada está totalmente recuperada.

Outros jogadores estão com situação ainda indefinida, como o zagueiro Lugano, que precisa da liberação dos médicos, que corrigiram a fratura em seu nariz, para jogar. O atacante Aloísio sofreu uma contusão no ombro direito e, se as dores persistirem, não joga contra a Portuguesa.