A má jornada em Toledo não apenas tirou o Paraná Clube da liderança como também ofuscou o brilho que se vira na goleada sobre o Nacional (4 x 0). Porém, o técnico Toninho Cecílio preferiu tratar o assunto com frieza. “Não nos deslumbramos com o que aconteceu no primeiro jogo. Também não vou fazer terra arrasada porque o time não se encontrou na segunda apresentação”, justificou, já totalmente focado no clássico de domingo. À espera dos registros de Gabriel Marques e Reinaldo, o treinador não antecipou se irá mexer na equipe para o confronto contra o Atlético.

Toninho Cecílio entende como natural essa oscilação. “Até porque, fomos além das expectativas na partida de estreia. É natural que todos esperassem um grande jogo frente ao Toledo. Mas nem sempre isso acontece”. Para o comandante paranista, houve mérito do adversário, que soube anular as principais peças do Tricolor, quebrando a estratégia de jogo. “No geral, prefiro ver sob um ângulo otimista. Mesmo numa noite pouco inspirada, mostramos uma grande solidez defensiva e somamos um ponto”, completou.

A jornada infeliz foi tratada, assim, com naturalidade pela comissão técnica. “O time produziu acima do esperado no domingo passado. É possível que alguns tenham sentido os reflexos disso em Toledo”, destacou o preparador físico Émerson Buck. “Por isso, seguimos monitorando todos eles. É importante garantir uma boa recuperação para que a gente vá minimizando essas oscilações nesta sequência inicial de jogos”. Para minimizar o cansaço do grupo, a delegação só retornou de Toledo após o almoço. “Se voltássemos após o jogo, como normalmente ocorre, os atletas não teriam uma noite de descanso ideal”, justificou Buck.

Toninho Cecílio não antecipou a escalação para o clássico. Até porque, falaria sob hipótese, já que alguns jogadores, como Gabriel Marques e Reinaldo, não estão registrados. Os dois, se tiverem seus contratos regularizados junto à CBF (falta o documento de transferência das federações uruguaia e chinesa, respectivamente) devem estrear. Ao menos esta é a tendência, já que o Paraná, em sua segunda partida, se ressentiu de maior presença de área, bem como de uma maior consistência pelos lados do campo.