A grande empolgação da torcida para a partida de sábado, contra o Santa Cruz, pegou a diretoria de surpresa. Mesmo com a projeção da presença de cerca de 20 mil torcedores não ter se concretizado, muita gente que foi acabou não acompanhando a partida pela falta do meio- ingresso. ?Às 14h30 já não havia meio-ingresso. Pior, os cambistas fizeram a festa descaradamente. Fomos em 4 mulheres e 3 crianças. É óbvio que compramos dos cambista. Pagamos R$ 5,00 a mais que o normal (R$ 10,00) e R$ 5,00 a menos que na bilheteria (R$ 20,00)?, relatou a torcedora Marlete Souza, em mensagem encaminhada à redação.

De acordo com ela, muitas pessoas foram preparadas para pagar o meio-ingresso e não puderam entrar. ?Era pra ter mais de 20 mil no Couto, se não fosse a falta do meio- ingresso. O Couto é gigante e democrático, sempre cabe mais um. A carga de meio-ingresso tem que ser maior, pois o clube só tem a ganhar com a compra do meio-ingresso diretamente pelo torcedor?, apontou Marlete, que disse ter ido ao Alto da Glória com mais três mulheres e três crianças. Na visão dela, o dinheiro que foi para os cambistas poderia ter sido gasto dentro do estádio com alimentação.

Segundo Osvaldo Dietrich, gerente de marketing do Coxa, a projeção da demanda feita pelo clube para meio-ingresso acabou sendo superada. ?A gente produz uma cota de ingresso e pela quantidade de público presente não deu tempo de produzirmos mais?, justificou. Segundo ele, o clube trabalha com uma perspectiva em torno de 40% de meios- ingressos, que foi superada na partida de sábado. Pela legislação, o clube é obrigado a fornecer meio-ingresso para estudantes e maiores de 65 anos, mas mulheres e crianças também são beneficiadas.

Por enquanto, Dietrich diz que a solução seria o torcedor comprar seu meio-ingresso com antecedência para que o clube possa confeccionar mais bilhetes em tempo enquanto não há uma legislação específica sobre a quantidade de meios-ingressos a serem colocados à venda. Sobre os cambistas, o problema é da polícia. ?O que podemos fazer é reprimir a atuação deles nas áreas do clube?, finaliza o dirigente do Coritiba.

Coxa está no caminho certo pra voltar à Série A

Foto: Valquir Aureliano

O volante Careca sabe que o segundo turno será muito difícil e que o time precisa pensar jogo por jogo.

O otimismo com a volta do Coritiba à Série A é cada vez maior, mas somente o otimismo. Depois da euforia e da frustração do ano passado, o Alviverde mantém o pé no chão em busca do retorno à elite do futebol brasileiro. E olha que a matemática dá mais de 79% de chances de isso acontecer. Mesmo com dez jogos para fazer no Couto Pereira e que poderiam garantir o retorno, a previsão da equipe é de mais dificuldades no segundo turno. Por isso, a ordem é se preparar melhor para a reta final da competição.

?No geral, o primeiro turno foi bom e dentro do que esperávamos, mas a gente sabe que o segundo turno vai ser mais difícil porque as equipes estão se reforçando?, avalia o volante Careca. Segundo ele, isso, no entanto, não será empecilho para a equipe buscar o objetivo de se classificar para a Série A do ano que vem. ?Também estamos nos preparando, sabemos quais são as dificuldades normais da Série B, mas o Coritiba será mais forte no segundo turno?, projeta o jogador alviverde.

Na avaliação do coordenador de futebol João Carlos Vialle, o planejamento não muda nada para os 19 jogos finais. ?A projeção é boa, se mantivermos a regularidade no segundo turno temos tudo para conquistar nosso objetivo?, aponta. E essa regularidade tem até uma projeção pronta no clube, em torno de 62 pontos. No entanto, Vialle quer pensar em jogo por jogo. ?Vamos trabalhar para enfrentar o Paulista, depois pensaremos em Ituano, Gama e assim por diante?, diz o coordenador.

Para Careca, o pensamento tem que ser assim mesmo, partida por partida. ?Se a gente for projetar o que pode fazer até o final, poderemos dar um passo errado, porque nessa fase ou você ganha ou não tem mais como recuperar?, diz. De qualquer forma, a tabela está favorável ao Coxa. ?Teremos Criciúma, Marília, Vitória e Portuguesa, que são concorrentes diretos, em casa. Se mantivermos a campanha no Couto, aumenta a chance de conseguirmos a classificação?, destaca Vialle.

Nos números, a Série A está logo ali. De acordo com o site chancedegol.com.br, o Coritiba tem 79,1% de chances de subir este ano. Para a conquista do título, o percentual cai para 14,5, mas tudo isso vai mudando conforme o desenrolar das rodadas e os resultados da equipe. No momento, para ganhar a Série B, a projeção é que são necessários 75 pontos e, para subir, 65. Mas isso também pode variar para mais ou menos conforme o andamento da competição.