Se considerando humilhados e com o coração partido, os torcedores do Cleveland, uma cidade conhecida por sua longa seca de títulos esportivos, viraram as costas para LeBron James no imediato momento em que ele anunciou em um programa de TV a decisão de deixar o Cavaliers para jogar pelo Miami Heat.

Os torcedores retiraram as antes amadas camisas número 23 do Cavs e as queimaram nas ruas. Eles também jogaram pedras em um cartaz de 10 metros de altura que retratava James olhando para o céu com os braços abertos e a frase: “Todos somos testemunhas”.

O gigantesco painel representava a adoração que a cidade sentia por James. Mas isto acabou na quinta-feira. Em frente ao estádio Quicken Loans Arena, a cena era de homens sentados em mesas de bar com as cabeças abaixadas e chorando.

James era para o Cleveland um raio de esperança em meio a uma década de depressão. Ante a crise das hipotecas, o colapso da economia e o declínio da indústria automobilística, a cidade tinha algo único que ninguém poderia igualar: LeBron James,

um herói local, apesar de ser uma estrela global. Mas isso não existe mais e os torcedores acham que foram descartados de modo vergonhoso.