Ponta Grossa – Após 54 anos sem chegar a uma final de Campeonato Paranaense, o Operário conseguiu mobilizar toda a cidade por sua ótima campanha na competição. Antes do jogo, Ponta Grossa estava preta e branca por todos os lugares. Apenas alguns ‘intrusos’ alviverdes mudavam um pouco o tom.

As filas para entrar no estádio Germano Krüger dobravam as esquinas. Empolgada, a torcida do Fantasma fazia a festa nos arredores do local e até mesmo longe. Churrascos e confraternizações, com muito barulho na rua, eram frequentes ao passar pela cidade do interior.

Ingressos

Embalado pela finalíssima, os torcedores até reclamaram do preço salgado – o mais barato era R$ 100 -, mas acreditam que a diretoria fez o certo para valorizar o programa de sócio-torcedor ‘Amigos do Operário’. Os valores variam de R$ 40 a R$ 500. “A diretoria incentivou a ser sócio. Quem não é está perdendo comodidade, além de poder ajudar o time da nossa cidade”, falou Antônio Maurício Costa, 53 anos e professor de História, que acertou o placar de 2×0 antes do jogo.

Com um calendário no segundo semestre, pelo menos na primeira fase da Série D, a torcida do clube alvinegro acredita que vale a pena apoiar mensalmente. “A torcida tem que ajudar, passou da hora. Temos que ser sócios para o time ir, cada vez mais, para frente nos campeonatos. O apoio é determinante e o time está dando a resposta”, Samuel Antônio do Santos, 51 anos, funcionário público e sócio desde o ano passado.

Lucas Pacheco do Nascimento, 22 anos, está desempregado e vai na contra mão do restante. “Não vou ser sócio, mesmo sendo campeão. Se continuar esse preço alto, vou ficar sem vir. A diretoria tem que reconsiderar esse preço no Brasileiro”, pediu o estudante.

Dormindo com o Fantasma! Veja a opinião de Mafuz sobre a vitória do Operário.