Um projeto-piloto polêmico do Ministério Público do Paraná pode ser colocado em prática neste ano dentro do futebol paranaense. O objetivo é ter torcida única nos principais estádios de Curitiba para reduzir os atos de violência dentro e ao redor das praças esportivas. A medida já vale a partir desta quarta (16), no jogo entre Atlético e Cruzeiro, pela Copa do Brasil.

O tema vem sendo tratado com Atlético, Coritiba e Paraná Clube, e também com as principais torcidas organizadas dos clubes. De acordo com o MP-PR, o motivo é o deslocamento de grande aparato policial para os jogos.

“Atualmente, com a presença de torcedores de ambos os times nos estádios, é grande a necessidade de deslocamento de parcela considerável da força policial. Isso porque além da segurança no estádio e seu entorno, todo o percurso feito pelas torcidas organizadas até os locais dos jogos é acompanhado por escolta de policiais militares que precisam ser remanejados de seus postos de trabalho em outros pontos da cidade e até da região metropolitana”, diz parte da nota divulgada pelo MP-PR.

De acordo com as informações do MP-PR, o teste será inicialmente feito nos jogos realizados na Arena da Baixada – por isso o começo imediato. E só não iniciará antes, no jogo do domingo (13) entre Atlético e Atlético-MG pelo Brasileirão, por falta de tempo hábil. Posteriormente, o projeto deverá ser colocado em prática também na Vila Capanema e Couto Pereira.

Por fim, o Ministério Público cita a medida adotada nos clássicos realizados em São Paulo, destacando a redução do efetivo policial para as partidas e o aumento do público presente nos estádios. Apesar disso, no clássico entre Guarani e Ponte Preta, realizado na última semana e que contou com torcida única, uma pessoa morreu em Campinas por confrontos entre os torcedores.