Uma vaia tremenda ecoou pelo circuito do Anhembi após o anúncio do adiamento do treino de classificação da etapa de São Paulo de Fórmula Indy, que deveria acontecer na tarde deste sábado e passou para a manhã de domingo. A mudança na programação foi causada pela falta de segurança na pista, que passará por reparos emergenciais.

Apesar do descontentamento geral, a torcida se dividiu com a notícia do adiamento. Enquanto uns decidiram deixar o circuito, outros resolveram permanecer e aproveitar o ensolarado dia – ao invés da sessão de classificação, houve mais um treino livre, o terceiro deste sábado.

“É claro que não foi legal (a alteração na programação), mas também não dá para dizer que o dia está perdido”, comentou o torcedor Carlos Barbosa, posicionado no Setor Azul do circuito. “O automobilismo brasileiro é tão carente deste tipo de evento que é importante o povo apoiar e entender quando algo não funciona direito”, argumentou ele, que também reclamou da falta de divulgação. “Faltou o povo saber um pouco mais do que se tratava.”

Já deixando o Setor Arena, rumo à saída do circuito, a família de João Peixe se mostrou insatisfeita com a mudança. “Puxa, chegamos aqui às 9 horas e bateu um desânimo quando disseram que mudou a programação. Agora o treino não vale nada, então vamos embora. Amanhã [domingo] vai ser melhor”, disse o próprio João Peixe.

DESORGANIZAÇÃO – A desinformação dos atendentes, principalmente no acesso ao circuito, incomodou o torcedor que compareceu ao Anhembi neste sábado. “Demoramos mais de uma hora para conseguir entrar no circuito”, contou João Peixe. “Tivemos que andar um bom trecho em busca de outro portão de acesso.”

Já o torcedor Ivan Pereira Barbosa, também do Setor Arena, reclamou da falta de estacionamento próximo e de problemas na indicação de quais vias estariam interditadas. “A informação é de que a Santos Dumont e a Ponte do Anhembi estariam fechadas, mas não estavam”, revelou.

Para Carlos Barbosa, que estava no Setor Azul, o problema foi a distância que os ônibus deixaram os torcedores. “Muito longe. Tivemos de andar um bom tanto. Acho que o ônibus poderia ter deixado a gente aqui dentro”, reclamou.