O Superior Tribunal de Justiça Desportiva da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) manteve na noite de segunda-feira a decisão da Comissão Disciplinar Nacional de não suspender a corredora Simone Alves da Silva.

A atleta foi liberada pelo tribunal por quatro votos a dois, em sessão realizada em Manaus. Simone havia sido flagrado em teste antidoping realizado durante a disputa do Troféu Brasil, no dia 3 de agosto de 2011, em São Paulo.

A corredora testou positivo para eritropoetina recombinante (EPO), substância proibida que melhora o desempenho respiratório dos atletas. A análise foi realizada pelo laboratório da Wada (Agência Mundial Antidoping), em Montreal, no Canadá.

Por conta do flagrante, Simone recebeu uma suspensão preventiva que a tirou dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, no México. Ela ainda teve cassados os recordes sul-americanos dos 5.000 e 10.000 metros registrados no Troféu Brasil.

A suspensão provisória foi encerrada com a absolvição proferida pela Comissão Disciplinar Nacional, em janeiro. Na noite de segunda, o STJD confirmou a decisão. Liberada para participar das competições, Simone ainda corre o risco de ter que se defender diante da Iaaf e da Corte Arbitral do Esporte (CAS).

Presidente da Agência Nacional Antidoping (ANAD), da CBAt, o advogado Thomaz Mattos de Paiva já afirmou que encaminhará o processo da brasileira à Associação Internacional de Atletismo (Iaaf) e à CAS, instância máxima da justiça desportiva.