O sucesso de Kelvin e Henrique veio ao encontro do projeto que é elaborado pelo assessor de futebol Paulo César Silva e pelo diretor de futebol Guto de Melo para a temporada 2011.

O Paraná Clube do ano que vem -se não houver imprevistos -terá um elenco mais enxuto e com uma série de garotos da base. “Não vamos jogar sobre eles a responsabilidade de resolver os problemas do time, mas só com uma política assim podemos dar uma guinada na nossa trajetória”, diz Paulo César Silva.

Sua ideia parte de uma espinha dorsal formada por atletas experientes. “A partir dessa sustentação, a gente solta os meninos nas outras posições. É preciso saber mesclar experiência e juventude, com critério”, ressaltou o dirigente.

Paulão acredita que com esta política o clube evitará a série de contratações infrutíferas que têm sido assunto recorrente no Paraná. Hoje, Roberto Cavalo trabalha com um grupo de 40 jogadores.

O projeto deverá ser apresentado assim que o Tricolor atingir 46 pontos e assegurar matematicamente a sua permanência na Série B. Roberto Cavalo é, hoje, consenso no clube.

“Ele está com a gente, desde que trabalhando na nossa faixa salarial”, ressaltou Paulo César. O dirigente, porém, não garante que continuará no cargo para 2011. “Vim para ajudar num momento delicado. Fiz o possível para mexer com o grupo. Agora, quero ver a resposta do torcedor. Precisamos desse apoio, dessa sustentação. Senão, estou fora”, desafiou.