O Paraná Clube deu o um grande passo para alterar seu estatuto e proporcionar aos associados, o direito maior de exercer a cidadania dentro do clube através do voto. A reunião extraordinária do conselho deliberativo aconteceu na noite de quinta-feira, na sede da Kennedy e contou com a participação de oitenta pessoas.

O atual estatuto tricolor vigora desde 2003 e, naturalmente, algumas ideias de associados param no meio do caminho e, neste sentido, algumas alterações podem ser úteis na seqüência do dia-a-dia paranista. Além disto, foram analisados estatutos de outras equipes e que servem de modelo para a estruturação do Paraná, como a do Internacional, Santos, Palmeiras, Grêmio e São Paulo.

Inicialmente, na reunião comandada por Benedito Gomes Barboza, presidente do conselho deliberativo, propôs a pequena mudança na estrutura organizacional, representada pelos poderes do Paraná Clube, modificando a denominação do conselho normativo para conselho consultivo.

Em relação ao conselho diretor propõe-se alterar a denominação para conselho gestor, mantendo o princípio das eleições diretas para mandato de quatro anos, com direito a uma reeleição (Rubens Bohlen segue este padrão e seu mandato termina em 2015). Contudo, a proposta traz uma inovação no processo eleitoral. Atualmente, apenas sócios olímpicos têm chance de votar e tendo a aprovação dos órgãos competentes, a categoria de sócios familiar (futebol), terá os mesmos direitos, desde que estejam previamente cadastrados no colégio eleitoral e observados os requisitos ditados pelo estatuto.

“A reforma, que se apresenta, tem como objetivo melhorar a dinâmica de funcionamento do clube, adotando maior profissionalismo na condução das diversas áreas de atuação. A democracia e o controle da gestão irão melhorar a relação com todos”, disse Benedito Barboza em entrevista ao Paraná Online.

A aprovação destas alterações só ocorrerá no próximo mês através do conselho deliberativo e depois de uma assembléia geral de sócios.