Sob pressão, o Paraná Clube encara hoje – às 21h50, no Durival Britto – o Duque de Caxias. Rodada após rodada, o discurso dos tricolores tem sido o mesmo: buscar nova arrancada na Série B.

Desta vez, o técnico Marcelo Oliveira reconheceu que é hora de falar menos e agir. O time tenta dar um basta nas oscilações que têm sido marca registrada do Tricolor.

Nas partidas mais recentes, a história tem se repetido. O time tem lampejos de bom futebol, mas não se sustenta. “A gente precisa urgentemente buscar uma partida equilibrada”, comentou o meia Wanderson.

O Tricolor, nas duas últimas partidas, mostrou potencial para vencer Ponte Preta e Santo André, mas terminou somando apenas um ponto por conta dessa instabilidade.

Na tentativa de melhorar esse retrospecto, Marcelo Oliveira conta com a volta da zaga titular. Alessandro Lopes e Irineu, recuperados de lesões, formam com Luís Henrique o trio de defensores, que terão a dura missão de parar o Duque de Caxias.

Afinal, o clube do Rio de Janeiro venceu os três últimos jogos que disputou como visitante. “Eles têm qualidade. Precisamos jogar com atenção redobrada, mas impondo o nosso ritmo”, disse Irineu.

O desafio do Tricolor é recuperar a estabilidade do início da competição, quando venceu todos os jogos que disputou na Vila Capanema. “A gente já perdeu muito tempo. Acho que uma somatória de fatores contribuiu para isso, só que não adianta ficar revirando o passado. Temos que buscar soluções imediatas, acreditando nesse grupo, que já mostrou sua força”, afirmou Marcelo Oliveira.

O treinador acredita que o time já teve tempo para se adaptar à nova realidade. “Fizemos ajustes para suprir as saídas de algumas peças. Nosso primeiro tempo contra a Ponte Preta foi muito bom. É um modelo a ser seguido, mas tendo a consciência de que o jogo se decide em 90 minutos”, disse o treinador. O Paraná persegue essa regularidade para somar o quanto antes as seis vitórias que garantiriam a permanência na Série B.

“Ficamos numa área de risco. Então, sair dessa situação é nossa prioridade”, disse o meia Wanderson. Ele chegou a ser dúvida por conta de um desconforto muscular na coxa esquerda, teve sua escalação confirmada no treino de ontem à tarde.

Mesma sorte não teve o ala Murilo. O jogador sentiu uma “fisgada” na parte posterior da coxa direita durante o treino tático de domingo e é dúvida. Ele será reavaliado momentos antes do jogo e, se vetado, dará lugar a Paulo Henrique. O garoto, que veio da Ferroviária de Araraquara, teve bom rendimento diante do Figueirense, quando fez sua estreia com a camisa tricolor.