Em queda no returno, o Paraná Clube vive o seu momento de maior pressão na Série B. As duas derrotas em casa para América-MG e Avaí jogaram o clube no “rebolo” de oito equipes que ainda sonham com o acesso. Com Palmeiras e Chapecoense disparados na ponta, a disputa será intensa e o Tricolor já não depende de seus resultados em casa. “A hora é essa. Temos que recuperar o equilíbrio visto no primeiro turno, e que norteou nossa campanha”, resumiu o técnico Dado Cavalcanti.

O Paraná chegou a apresentar mais de 90 pontos percentuais de possibilidade de sucesso. Após os deslizes, o site Chance de Gol confere ao Tricolor apenas 56,3% de possibilidades. Mesmo perdendo a 3.ª colocação para o Sport Recife, mantém, segundo os matemáticos, vantagem sobre o rubro-negro pernambucano, que tem 44,5% de probabilidade. “A vantagem já era. Agora, temos que ter serenidade para avaliar nossas possibilidades e buscar uma reação imediata. Estamos no G4 e o desespero deve ser dos outros, não nosso”, avalia o treinador.

Na matemática do acesso, o Paraná ainda depende de pelo menos seis vitórias, mas agora em onze rodadas. “Sabíamos que não seria fácil. Mas essas derrotas em casa torna o caminho ainda mais árduo”, analisa Dado. O treinador, porém, acredita que ainda é possível retomar o futebol competitivo e empolgante do primeiro turno. “Acho que não temos conseguido, nas partidas mais recentes, aplicar a mesma marcação-pressão de outros jogos”, reconhece. Agora, o Tricolor parte para duelos com outras características: fora de casa, onde poderá explorar o nervosismo dos adversários.

O Tricolor enfrenta o desesperado América-RN (que está na ZR e demitiu o técnico Pintado) e o emergente Ceará – 9.º colocado e de volta à briga pelo acesso. “Sabemos o que queremos e vamos suplantar esse momento difícil. O grupo é forte e tem maturidade para dar a volta por cima”, resumiu Dado Cavalcanti. Os números confirmam a queda vertiginosa de rendimento. Após fechar o turno em 3.º, o Paraná é apenas o 14.º no returno, com 9 pontos somados.

É o pior desempenho dentre todos os times que ainda brigam por uma vaga na Série A de 2014. “Pagamos pelos nossos erros. Agora, vamos ter que buscar fora os pontos que desperdiçamos em casa. Tem muito campeonato pela frente”, destacou o zagueiro Anderson. O Tricolor, até o fim de novembro, entra em campo onze vezes, sendo seis jogos fora (América-RN, Ceará, Joinville, Boa Esporte, Sport, Guaratinguetá) e apenas cinco em casa (Bragantino, Atlético-GO, Palmeiras, Chapecoense e Icasa).