Depois de um início de campeonato muito irregular, correndo até riscos de não se classificar e participar do Torneio da Morte, aos poucos o Londrina se encontrou. O técnico Cláudio Tencati, que provoca sentimentos conflitantes no torcedor do Tubarão (que alterna entre admiração e ódio) acertou o time e passa a conduzir o Alviceleste em um caminho firme e com objetivos claros. A presença na final do Campeonato Paranaense é considerada no Norte do Paraná como obrigação, mas em momento algum o respeito pelo Atlético foi maculado.

Além do respeito ao adversário, Tencati traz para Curitiba um Londrina modificado em relação àquele que venceu o J.Malucelli nas quartas de final. Celsinho é a principal novidade no setor criativo no lugar de Robinho. “O Robinho foi bem, mas ele é mais armador. Já o Celsinho tem características de meia-atacante, o que de certa forma acaba compensando e dando o equilíbrio necessário ao lado do outro meia organizador que é o Rone Dias”, disse o treinador, ao Jornal de Londrina.

Desfalques

O zagueiro Gilvan, suspenso, abre espaço para Douglas Grolli no sistema defensivo. Ao lado de Dirceu, o jogador dará um pouco mais de jovialidade à zaga do Tubarão. A outra mudança acontece no ataque, afinal Arthur, artilheiro da equipe na competição, com cinco gols marcados, está suspenso. Em seu lugar o veterano Alexandre Oliveira deve ser o escolhido, mas Lucas corre por fora.