Acabou em brigas, com uma morte e cinqüenta feridos, carros incendiados, cinco estudantes japoneses agredidos, assim como médicos, fotógrafos, operadores de câmera de tevê. Por mais de uma hora, policiais e bombeiros tiveram de lutar muito para conseguir restabelecer a ordem, depois de terminado o jogo com o placar de Japão 1, Rússia 0. E tudo isso ocorreu perto de um telão instalado na Praça Manezh, junto ao Kremlin, em Moscou.

Assim que o Japão marcou seu gol, as brigas começaram e estenderam-se pelo resto da partida, intensificando-se ao final, com a confirmação da derrota russa. Os violentos torcedores saíram destruindo tudo o que viam pela frente. Um fotógrafo da Associated Press disse ter visto um cadáver mutilado jogado na rua durante o verdadeiro caos que se seguiu ao fim do jogo.

Milhares de fanáticos corriam pelas ruas próximas à praça, gritando “Avante, Rússia”, quebrando vitrines de lojas, pulando sobre carros, brigando entre si e atirando garrafas vazias. Colunas de fumaça subiam de carros incendiados perto do Parlamento Nacional e na praça em frente ao Teatro Bolshoi.

Cinco estudantes japoneses que participavam do 12º Concurso Tchaikovsky de música foram agredidos e um restaurante japonês das proximidades teve seus vidros quebrados, bem como vários carros na avenida do quartel general do serviço de segurança russo (a antiga KGB).

Serge Tsoi, porta-voz do prefeito de Moscou Yuri Luzhkov disse que, depois desses incidentes, não haverá mais exibição de jogos em telões nas praças da cidade. No final do dia, veio a confirmação: um morto, esfaqueado, e 50 feridos hospitalizados. “O tumulto foi um insulto aos milhões de pessoas que torciam pela seleção russa”, resumiu Alexei Volin, secretário de governo.