Genebra – O futebol europeu passará por um pente fino. Ontem, políticos, polícia e a Uefa lançaram uma iniciativa para produzir uma investigação independente sobre o estado do futebol hoje na Europa, eventuais casos de corrupção, compra de árbitros, atuação de agentes e a situação financeira dos clubes.

A investigação será liderada pelo ministro dos Esportes de Portugal, José Luis Arnaut, e tem o apoio de vários governos, como o da Inglaterra, que foi quem iniciou o debate sobre o assunto no ano passado, quando presidiu a União Européia. Para os representantes do governo de Londres, soluções nacionais para casos de corrupção ou transferências suspeitas de jogadores não são suficientes e esses problemas somente podem ser tratados com leis que possam valer em toda a Europa.

Os políticos produzirão um relatório sobre o estado do futebol até maio. Os resultados serão apresentados aos presidentes e primeiros-ministros dos países europeus. A Fifa também será informada sobre o assunto. Com a investigação concluída, a Uefa e os governos adotarão medidas para combater e corrigir os problemas eventualmente identificados. ?A idéia é ter novas regulamentações para determinar como o futebol deve ser gerenciado?, afirmou a Uefa.

Um dos pontos principais da investigação será a atuação dos agentes e responsáveis por transferências de jogadores.

A Uefa e os governos querem dar um fim aos escândalos cada vez mais freqüentes de desvio de dinheiro em negociação de atletas, como no caso de Ronaldinho Gaúcho ao deixar o Paris Saint Germain para o Barcelona. Os escândalos de compra de árbitros e de resultados também serão investigados pelo grupo de políticos e especialistas.