Termina hoje a temporada mais ‘sonhada’ do Coritiba. Só que, ao contrário do que a torcida e a diretoria esperavam, o ano de 2004 acabou sendo de frustrações, serenadas em parte pelo título estadual conquistado em pleno estádio Joaquim Américo.

Jogando sem motivação na última rodada do Campeonato Brasileiro, o Coxa encara a partida contra o Criciúma, às 16h, no Heriberto Hulse, como apenas um ato de dignidade.

"Nós temos a obrigação de jogar e vencer", resume o técnico Antônio Lopes. "No mínimo, os atletas precisam pensar no futuro. Cada jogador tem interesse ou na permanência no Coritiba ou na possível negociação com outro clube. E, para isso, esta última impressão é importante. Uma boa atuação contra o Criciúma pode ser fundamental para a temporada 2005 de cada um dos que entrarem em campo", explica o Delegado.

Ele usa essa motivação particular para ‘pressionar’ o elenco a jogar bem. "Estou usando essa conversa desde o jogo passado. Tenho que fazer isso", justifica-se Antônio Lopes. Para jogadores como Alemão e Ataliba (e também Jucemar, que fica no banco de reservas), a tese é valida, pois a partida pode sacramentar a permanência deles – ou não. "Quero ficar no Coritiba. Meu interesse é permanecer, porque me sinto bem no clube e sei que aqui serei valorizado", comenta Ataliba, que já esteve mais perto de uma renovação.

Outra "renovação" que acontece é a do grupo, que será rejuvenescido na próxima temporada. A média de idade do time que entra em campo em Santa Catarina é de 23,5 anos, drástica redução em comparação ao início do ano, quando o Coxa tinha Luiz Mário, Aristizábal e Tuta. Dos experientes, restaram Reginaldo Nascimento e Luís Carlos Capixaba (a única contratação totalmente aprovada na temporada), e o primeiro está com as malas prontas para deixar o clube.

A tática, agora, é investir com mais certeza – o exemplo caro é Marquinhos, que chegou como grande esperança para 2005. Contratado antecipadamente e já treinando, o armador será provavelmente o nome mais badalado do Coxa, pois a diretoria alviverde não programa vôos mais altos.

Por isso, a partida de hoje marca não só a luta pela dignidade ou o fim de uma temporada. O Coritiba encerra um ciclo, que envolvia contratações vultosas, iniciativas ousadas e planos mirabolantes. A partir de agora, mais que nunca, o Coxa será um clube "pés no chão", tanto nos investimentos, quanto em campo. A idéia é ser pragmático – até porque foi assim que o clube conseguiu se reerguer nos últimos anos.

CAMPEONATO BRASILEIRO
CRICIÚMA X CORITIBA

Criciúma: Roberto, Toninho, Duílio e Luciano, Ângelo, Cléber Gaúcho, Paulo César, Douglas e Gleidson; Marcos Denner e Vagner Carioca. Técnico: Lori Sandri

Coritiba: Douglas; Rafinha, Miranda, Flávio e Ricardo; Reginaldo Nascimento, Ataliba, Roberto Brum e Capixaba; Alemão e Láercio. Técnico: Antônio Lopes

Súmula
Local
: Heriberto Hulse (Criciúma-SC)
Horário: 16h
Árbitro: Paulo César de Oliveira (FIFA-SP)
Assistentes: Valter José dos Reis (FIFA-SP) e Marinaldo Silvério (SP)