Dagoberto estaria rendendo
14 milhões de dólares ao Rubro-Negro.

A mesma “gripe” que tirou o atacante Ilan do Atlético e levou para o Sochaux, da França, poderá tirar o também atacante Dagoberto e levá-lo para o futebol europeu. Segundo apurou a Tribuna, o jogador deverá render cerca de US$ 14 milhões para o Rubro-Negro, mas o clube interessado ainda é um mistério. A diretoria nega qualquer tipo de transferência, mas a saída do artilheiro do treinamento de ontem pode ser um indício de que ele possa deixar o clube.

Durante os trabalhos no CT do Caju, Dagoberto levou uma pancada no tornozelo, caiu no gramado e foi atendido pelo médico Murilo Ribas, que disse que a contusão não preocupava. Em seguida, saiu de campo sem falar com a imprensa e foi fazer tratamento no departamento médico. Antes disso, o atacante atendeu a vários garotos de uma escolinha de futebol de Antonina, deu autógrafos, posou para fotos e caminhou calmamente (sem camisa) em direção ao DM.

Não demorou muito para a assessoria de imprensa do clube apontar uma febre como motivo para o jogador deixar o treino. A mesma justificativa foi apresentada quando Ilan foi negociado com o futebol francês. O ex-atleticano estava concentrado para a partida contra o São Caetano e foi cortado de última hora, também com uma “gripe e febre alta”. No dia seguinte, o Sochaux anunciou que a conversação estava em andamento e logo apresentou o jogador como principal reforço para a temporada 2004/2005.

Levir Culpi pisa no freio da euforia atleticana

O Atlético chegou à vice-liderança, só depende de si para chegar ao topo, está invicto há nove jogos e jogando bem, mas nada disso interessa ao técnico Levir Culpi. Para afastar qualquer possibilidade de euforia no elenco, o treinador rubro-negro já decretou a receita para ser o primeiro do campeonato brasileiro e continuar lá: muito trabalho. Nem no final de semana de jogo da seleção brasileira vai haver folga. Os jogadores já estão avisados que terão que treinar sábado e domingo para evoluir ainda muito mais.

“Nós vamos treinar sábado e domingo, não quero nem saber, não tem folga. Porque nós somos um time que precisa trabalhar para vencer. Nós temos que ter a consciência de nossas limitações”, aponta Levir. Segundo ele, o time precisa melhorar para manter o mesmo ritmo e continuar vencendo os jogos. “Eu não gosto de dizer nem o que está bom. Eu gosto de falar, mas não do Atlético. Eu não tenho o interesse de falar o que está bom e o que está ruim para não passar para os adversários”, desconversa.

No entanto, ele admite alguns pontos positivos da equipe. “Todo mundo sabe que o Atlético tem um contra-ataque rápido, nós somos bons nas bolas paradas, que são coisas muito visíveis. Algumas outras, nós precisamos melhorar o desenvolvimento do jogo e mudança de sistema tático”, revela.

Time

Antes do serão extra do final de semana, porém, o Atlético se prepara para enfrentar o Guarani, às 20h30 de amanhã, na Arena. Para esta partida, a maior dúvida é o zagueiro Rogério Correia. O jogador sentiu uma fisgada no clássico de domingo, foi submetido a exames, que constataram uma contratura na coxa direita. Assim, ele deverá ser melhor avaliado hoje, mas com poucas chances de atuar. Outro que deve ficar fora é o volante Bruno Lança. Ele continua se recuperando de uma pancada na bacia e também passa por nova avaliação para saber se joga.

Com isso, a novidade poderá ser a volta de Fabiano desde o início. O jogador treinou ontem, na zaga, entre os titulares, ainda usando máscara, mas continua receoso e indefinido se vai ou não para campo. O provável time rubro-negro para amanhã deverá ter Diego; Marinho, Fabiano e Marcão; Fernandinho, Alan Bahia, Pingo, Jádson e Ivan; Dagoberto e Washington.