O jogo de hoje entre Goiás e Atlético, às 16h, no Serra Dourada, é um confronto de lembranças memoráveis para alguns personagens da partida. O principal deles é Paulo Baier. O meio-campista, hoje respeitado pela torcida atleticana, viveu um dos seus melhores momentos de sua carreira no Esmeraldino. Foram 49 gols e 135 jogos pelo Goiás, em duas passagens. No Furacão desde 2010, Baier também marcou 49 vezes, mas já tem 147 jogos.

O técnico Ricardo Drubscky também reencontrará um velho conhecido. O treinador do adversário, Enderson Moreira, foi pupilo de Ricardo. Não só por ter sido seu auxiliar, mas por ter sido também seu atleta em um time de juvenis em Belo Horizonte. Porém, Ricardo não quer saber de ter de ouvir depois da partida que “o mestre foi superado pelo aluno”. “É uma partida especial, mas quero ganhar. Temos uma grande afinidade. As más línguas diziam que eu o protegia quando trabalhávamos juntos, porque ele é meu sobrinho, mas não tem nada disso. Não somos parentes”, afirmou.

O treinador atleticano sabe bem o que esperar do seu ex-aprendiz, o que o deixa ainda mais atento para a partida de hoje, assim como precisa encontrar maneiras de “esconder” do pupilo suas táticas. “Conheço muito bem o Enderson, assim como ele conhece o meu. Sei que não vai ser fácil, mas vai ser um jogo jogado, porque tanto ele quanto eu gostamos de ver o jogo jogado”, afirmou Drubscky.

Mas dentre esses reencontros, é o meio-campo Elias que tem a história que mais deve agradar à torcida atleticana. Ele garante que já foi o algoz do Goiás por muitas vezes, quando ainda vestia a camisa do Atlético-GO. “Atuei em muitos jogos contra o Goiás e sempre fui muito feliz. Fiz muitos gols e amanhã [hoje] vou fazer de tudo para repetir essas atuações e ajudar o Atlético a sair de Goiânia com um bom resultado”, disse.