As empresas que serão beneficiadas com as obras de remodelação da Arena da Baixada terão que reverter 2% do valor contratado para ações sociais do município de Curitiba. A decisão foi tomada na sessão de ontem, na Câmara de Vereadores, em votação secreta. A decisão derrubou o veto do ex-prefeito Luciano Ducci, em um de seus últimos atos.

No final da gestão passada, os vereadores aprovaram o aumento do valor do repasse de potencial construtivo de R$ 90 milhões para R$ 123,6 milhões, a fim de que o Atlético obtivesse financiamento de R$ 131,1 milhões junto ao BNDES. Na reforma da lei, foi aprovada a emenda que propunha o repasse de 2%, mas que acabou vetada pelo ex-prefeito Luciano Ducci. Assim, ontem, os vereadores votaram em turno único a revisão da lei e, por 29 votos a 9, derrubaram o veto.

Entre as empresas beneficiadas com os recursos do potencial construtivo, e que terão de repassar 2% ao município de Curitiba, estão a Kango Brasil Ltda. e a Carlos Arcos Arquitetura, respectivamente do filho e do primo do presidente da CAP S/A, Mário Celso Petraglia.