São Paulo – A vida do fundista Vanderlei Cordeiro de Lima, desde que começou a competir, aos 16 anos, até o ataque do ex-padre irlandês Cornelius Horan e a medalha de bronze ganha na maratona olímpica de Atenas, pode virar história de cinema. Ao voltar da Grécia, dia 3, o técnico Ricardo D?Angelo encontrou, em seu celular, cinco mensagens de um cineasta de Nova York, Loyso Smolinsky, que queria um contato com Vanderlei. O interessado foi informado de que o manager internacional do maratonista é o escritório da Global Sports Communication, do empresário Jos Hermens, na Holanda, que já negocia com o cineasta.

“Eles disseram que têm interesse em fazer um filme da vida dele e o contato da Global já viajou para Nova York. Só pedi para que não esqueçam que o Vanderlei antes de tudo é um atleta, que é preciso preservar a carreira dele como atleta”, explicou D?Angelo, confirmando ainda homenagens programadas. Vanderlei receberá o prêmio Abeb Bikila, dia 7 de novembro, na Maratona de Nova York, uma das mais tradicionais do mundo, e na seqüência, dia 28, homenagem na Maratona de Milão.

Vanderlei, de 35 anos, 1,68 m e 54 kg, está gostando da vida de celebridade – ontem, em São Paulo, foi novamente o principal destaque, dentre os atletas ganhadores de medalhas olímpicas, na entrega de prêmios em ouro feita pela Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), em São Paulo. Pelo bronze, teria direito a 250 gramas de ouro, mas ganhou o prêmio como se tivesse vencido a maratona olímpica e em dobro pelo fato de ser atleta do clube BM&F Atletismo. Vanderlei levou dois quilos em barras de ouro (R$ 74 mil) e pensa em investir o que ganhou como recompensa em imóveis. “Está sendo maravilhoso porque estou descontraído, não estou treinando e tenho tempo para atender aos pedidos. Estou aproveitando ao máximo este momento”, confirmou o atleta, que deixou para os agentes na Europa discutir sobre o convite para que sua vida vire história de cinema. “É a Global que está vendo isso.”

Sua próxima competição, uma maratona entre fevereiro e abril, também está sendo negociada pela equipe de Hermens. “Queremos um contrato a longo prazo, para que ele faça três edições de determinada maratona, em anos seguidos”, afirmou D?Angelo.

Vanderlei ainda terá esta semana para aproveitar a vida de celebridade, que começou ainda em Atenas, no bairro Plaka, no dia seguinte à prova – “as pessoas me paravam a cada passo”. Desde que voltou ao Brasil, foi aos programas de Ana Maria Braga, Jô Soares, Casseta & Planeta, Gilberto Barros, além de ter sido recebido pelo prefeito de São Caetano do Sul, Luiz Tortorello, e pelo presidente da BM&F, Manoel Felix Cintra Neto. Fora isso, abriu o desfile de 7 de Setembro, em Brasília, e foi convidado para o palanque presidencial. “A principal surpresa, que nunca esperava, era abrir o desfile em Brasília com o presidente Lula. O que mais me emocionou foi o Emanuel, do vôlei de praia, me dando a medalha dele.”

Na próxima semana, Vanderlei descansará para valer. O fundista, que mora em Maringá (PR), onde tem pista para treinar – também passa parte do tempo em Campinas, onde estão as filhas Any Caroline e Thainá -, gosta de pescar “no Paranazão” perto de Cruzeiro do Oeste, cidade em que nasceu, nas folgas. Com a volta aos treinos terá de dosar a vida de celebridade. Vai “administrar” a carreira para correr nos Jogos de Pequim, em 2008.