Horas depois de ter sido liberado pela Justiça chilena, em uma audiência realizada nesta quarta-feira, em Santiago, o meia chileno Arturo Vidal pediu desculpas pelo acidente automobilístico provocado na noite de terça-feira sob efeito de álcool. Chorando, o principal jogador da seleção chilena deu um depoimento curto, mas reconhecendo que esteve no Cassino Moticello, em Santiago, e que bebeu durante a noite. Vidal afirmou que estava envergonhado pelo que havia acontecido.

“Eu peço desculpas a todos, esse acidente foi culpa minha. Ontem fui ao cassino e tomei umas bebidas. Pus em risco a minha vida e a de minha mulher, pus em risco a vida de muitas pessoas. Estou muito arrependido disso e quero agradecer as pessoas que me apoiaram. Quero me desculpar com meus companheiros e com todo o país. É muito difícil falar, mas estou muito envergonhado por tudo o que aconteceu. Eu errei com todos e tratarei de dar o máximo. Esta oportunidade que está sendo me dada é por algum motivo”, afirmou Vidal.

Vidal está mantido na seleção chilena que disputa a Copa América. Na hora do almoço, o técnico Jorge Sampaoli confirmou que não será cortado. Havia grande pressão dos dirigentes para que Artur fosse desligado. A torcida chilena, por sua vez, defendeu o atleta. “Arturo é muito querido por todos. Ficamos preocupados com seus familiares. Estou feliz que ele está bem. Ele vai continuar, não vamos excluí-lo. Vai continuar jogando a Copa América. Não vamos julgar por um erro que não é tão determinante. Por ora, necessitamos incluí-lo. Minha visão é colaborar com a situação”, afirmou Sampaoli.

O atleta bateu sua Ferrari acompanhado da esposa Maria Teresa Matus, mas ninguém ficou gravemente ferido. O tribunal decidiu que o meia terá de ir ao consulado de Milão, na Itália, onde atua pela Juventus, uma vez por mês até que saia a decisão final. O prazo é de 120 dias. Durante esse período, Vidal ficará sem sua carteira de motorista.