A garotada é a grande atração do duelo entre Santos e São Paulo, que medem força neste domingo, às 16 horas, na Vila Belmiro. Pela primeira vez, será possível ver em campo o que de melhor os dois clubes revelaram nas últimas temporadas. Em estágios diferentes na carreira, jovens estrelas como Neymar, Lucas, Paulo Henrique Ganso e Casemiro mostram em campo o futebol que já é cobiçado por grandes clubes europeus.

No início do ano, boa parte deles esteve junta para defender a seleção sub-20 do Brasil no Sul-Americano do Peru. Na decisão do título, o Brasil aplicou 6 a 0 no Uruguai e as principais estrelas brilharam: Neymar marcou dois gols e Lucas fez três. Neste domingo, ele se reencontram para um duelo que promete muita velocidade.

Para Muricy Ramalho, o clássico na Vila tem um duelo à parte entre os dois, que são as mais badaladas revelações de Santos e São Paulo. “O Lucas é um baita jogador. Ele e Neymar são diferentes e desequilibram a qualquer momento”, afirmou o treinador santista.

Para ele, tentar parar o camisa 7 do clube tricolor com marcação individual não é a melhor estratégia. “É difícil marcar individualmente, a não ser quando se joga contra equipes de outros países sul-americano, porque são mais definidas na forma de jogar”, disse Muricy. “Como o jogador brasileiro se mexe demais, sem ficar preso a um esquema definido, fica difícil. Se corre atrás de alguém, abre espaço para outro. Por isso, se marca por zona, porque não se abre espaço”.

Do outro lado, Adilson Batista não revela qual a estratégia para tentar segurar Neymar. Em caso de marcação individual, a aposta é o lateral paraguaio Iván Piris, que não tem boas lembranças do atacante santista. Ex-jogador do Cerro Porteño, Piris levou a pior ao tentar parar Neymar quando os dois se enfrentaram nas semifinais da última Libertadores.

No meio de campo, outro encontro de jovens promessas promete um futebol de alto nível. Ganso, de 21 anos, que tem ensaiado recuperar seu melhor futebol nas últimas partidas, tenta voltar a ser o maestro que chegou à seleção principal como novo dono da camisa 10. Ao seu lado, o incansável Danilo, de 20 anos, vive uma temporada quase perfeita. Autor do gol do título na conquista da última Libertadores, ele recentemente teve sua primeira chance com Mano Menezes. Negociado recentemente com o Porto, de Portugal, ele ficará no Santos somente até a disputa do Mundial de Clubes, em dezembro.

Do lado são-paulino, Casemiro, de 19 anos, trouxe qualidade ao meio de campo após voltar do Mundial Sub-20. No último jogo, contra o Ceará, foi um dos destaques da equipe e ajudou a garantir a passagem à fase internacional da Copa sul-americana. Com liberdade para atacar no time de Ney Franco, Casemiro espera ser mantido mas à frente por Adilson Batista. “Minha preferência é jogar, mas o melhor é jogar na minha, como um volante que sai para o ataque”, afirma o camisa 8.

Companheiro de Casemiro na seleção sub-20, Henrique deve iniciar no banco e esperar por uma chance de Adilson no São Paulo. Artilheiro e melhor jogador do torneio na Colômbia, o atacante de 20 anos cobrou maior sequência de jogos para renovar com o clube do Morumbi. À primeira vista, parece que será atendido pelo técnico.