Se em outros tempos o Atlético tinha a Arena da Baixada como a sua principal aliada, agora esse papel cabe à Vila Capanema. O estádio alugado tem conseguido suprir a ausência do Caldeirão oficial, transformando o Furacão em um dos mandantes mais perigosos do Campeonato Brasileiro. Hoje, contra o Fluminense, o Rubro-Negro vai colocar à prova seus 70% de aproveitamento no estádio – desempenho fundamental para que o time do técnico Vagner Mancini chegasse ao G4.

Ainda sem saber o que é derrota dentro de casa, o Atlético tem o 4.º melhor desempenho como mandante. Nas nove partidas em que recebeu adversários – duas delas fora do Durival Britto – o time emplacou cinco vitórias e empatou outras quatro. Mas foi quando Vagner Mancini assumiu o comando da equipe que o aproveitamento decolou. Nas seis partidas disputadas em casa, foram cinco vitórias e apenas um empate.

Para o treinador, o fator casa foi decisivo na arrancada do Atlético no 1.º turno, quando o Furacão saiu da vice-lanterna para ingressar no G4. “Sabemos que a relação time-torcedor é um dos pontos altos das nossas conquistas e a torcida sabe da importância deles no jogo”, pontuou Mancini, que foi quem conduziu o Furacão à sua primeira vitória como dono da casa, o que ocorreu na 8.ª rodada. Antes, com Ricardo Drubscky no comando do Furacão, o time atleticano havia empatado as três partidas que fez como mandante. Aconteceu nas partidas contra Cruzeiro (2 x 2), na Vila Olímpica; Flamengo (2 x 2), em Joinville, e Grêmio (1 x 1) na Vila Capanema.

Ter o fator casa a favor é, até agora, um fator determinante para os quatro melhores times colocados na classificação do Campeonato Brasileiro. Entre os melhores mandantes da competição estão Cruzeiro (86%) Botafogo (77%) e Grêmio (76%) – os três dividem o G4 com o Furacão.

Mas a invencibilidade rubro-negra como mandante não é de hoje. Se somada toda a temporada de 2013, o Atlético só colheu um resultado ruim em casa. Foi no Campeonato Paranaense, quando a equipe sub-23 perdeu para o Paraná Clube por 1 x 0, ainda no Ecoestádio. O revés aconteceu no dia 27 de janeiro, ou seja, há quase oito meses a torcida não vê o time perder como dono da casa.