Aliocha Mauricio / O Estado do Paraná
Paranistas comemoram gol
nos acréscimos, para desespero
do goleiro Tavarelli.

O técnico tricolor Paulo Campos tinha dito que Paraná x Grêmio seria um “duelo de titãs”. Mas a frase que melhor pode definir o confronto de ontem no Pinheirão é “jogo dramático”.

Não houve, neste campeonato brasileiro, partida com tamanha carga de emoção quanto o confronto que terminou com a vitória paranista por 1×0, com um gol de Vicente no último minuto do jogo. Tanto sofrimento, tantas defesas de Flávio e tantas dificuldades foram esquecidas com um chute do lateral-esquerdo reserva, e uma inacreditável falha do goleiro paraguaio Tavarelli. Depois de dezoito rodadas de sofrimento, enfim, o Paraná saiu da zona de rebaixamento, terminando o sábado na 19.ª posição.

O Paraná teve, na verdade, apenas dois bons momentos na partida. Se o jogo tivesse dez ao invés de noventa minutos, o Tricolor seria merecedor da vitória. Nas duas etapas o Tricolor começou arrasador, tendo as suas duas principais oportunidades nesse período – aos 5 do primeiro, Cristian acertou a trave em cobrança de falta; aos 4 do segundo, Galvão deixou Capone perdido e passou por Tavarelli, mas chutou fraco e o mesmo Capone cortou.

Nos outros oitenta e tantos minutos, o Paraná demonstrou claramente, porque sofreu tanto para fugir da zona de rebaixamento. Sorte tricolor que o Grêmio conseguiu errar mais, falhando muito nos passes e não aproveitando as jogadas ofensivas. No primeiro tempo, o jogo chegou a irritar pela incompetência das duas equipes. Para piorar, Marcel, que era o jogador que mais se movimentava, errou um pênalti feito por Capone, que deu um tapa na bola após ser driblado por Maranhão. “Nós realmente não jogamos bem. Mas uma hora a sorte ia virar para o nosso lado”, comentou o meia Cristian.

Sábias palavras. Há muito tempo uma equipe paranaense contava tanto com a ajuda do “Sobrenatural de Almeida”, como diria Nelson Rodrigues. E foi realmente ?rodriguiana? a atuação do Paraná. Ainda mais se olharmos a incrível participação do goleiro Flávio. Ele fez, pelo menos, seis defesas impressionantes, em um momento em que o Grêmio poderia abrir folgada vantagem na partida. Em duas jogadas, o Pantera foi heróico: na cabecada de Capone e em outra jogada, semelhante, de Claudiomiro.

Parecia que o Paraná não iria resistir. A pressão era enorme, e cada jogada gaúcha o sentimento era de desespero total. Uma derrota seria trágica para o Tricolor. Mas Sobrenatural de Almeida vestia vermelho e azul e no momento em que Christian cabeceou e venceu Flávio, Claudiomiro tirou a bola que entrava. Se faltava algo para completar a salvação paranista, Vicente chutou de muito longe e Tavarelli aceitou. Só o imponderável explica este Paraná 1×0 Grêmio. Sorte paranaense que o imponderável estava do lado certo.

CAMPEONATO BRASILEIRO
PARANÁ 1X0 GRÊMIO

Paraná: Flávio; João Paulo, Fernando Lombardi, Emerson e Vicente; Axel (Messias), Beto, Cristian (Goiano) e Marcel; Maranhão (Vandinho) e Galvão. Técnico: Paulo Campos

Grêmio: Tavarelli; Fábio Bilica, Capone e Claudiomiro; George, Cocito, Felipe Melo, Bruno (Marcelinho) e Léo Inácio (Élton); Cláudio Pitbull (Roberto Santos) e Christian. Técnico: Cláudio Duarte

Súmula
Local: Pinheirão
Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (SC)
Assistentes: Claudemir Maffessoni (SC) e Edmundo Alves do Nascimento (SC)
Gol: Vicente 46 do 2º
Cartões amarelos: Axel, Fernando Lombardi, Vandinho, Goiano (PR); Élton, Felipe Melo, Bruno, Cocito, Léo Inácio (GRE)
Público: 3.972 pagantes