O mais inteligente teria sido colocar Brasil e Estados Unidos, finalistas da última Olimpíada, cada um em uma chave. Mas, para garantir uma trajetória mais fácil para o Canadá, os dois rivais tiveram que fazer uma espécie de final antecipada dos Jogos Pan-Americanos de Toronto ainda na fase de grupos. Em um jogo que quase entrou na madrugada canadense, deu Brasil, que venceu por 3 sets a 2 (22/25, 25/21, 25/18, 22/25 e 15/11), nesta segunda-feira.

Como havia vencido Peru e Porto Rico nas duas primeiras rodadas, o Brasil terminou no primeiro lugar do Grupo B e fugiu de ter que jogar uma vez a mais no Pan. Vai direto para semifinal, contra Argentina ou Porto Rico, na quinta-feira. Os Estados Unidos participam de uma fase preliminar à semi, contra Cuba, na quarta.

Como a fase final do Grand Prix começa nesta terça-feira, nos Estados Unidos, Brasil e a seleção norte-americana não mandaram força máxima a Toronto. O técnico José Roberto Guimarães ainda levou algumas titulares ao Canadá – Camila Brait, Jaqueline, Adenísia e Fê Garay -, mas os EUA jogam o Pan com time completamente reserva.

A partida foi equilibrada, mas a verdade é que o Brasil jogou muito mal no ataque. A central Bárbara, por exemplo, não virou nenhuma das 12 bolas que chegaram para ela atacar. Mari Paraíba teve 29 chances no ataque e acertou apenas três. Fê Garay precisou de quase 50 bolas para fazer 12 pontos.

Mas se o ataque não funcionou, o Brasil encontrou como vencer. Foi muito bem na defesa e cresceu no set decisivo, especialmente depois da entrada da central Joycinha. Foram quatro bloqueios seguidos da jogadora, que entrou na inversão 5-1, e decidiu o jogo.