Washington enfrenta o Atlético domingo, na Arena da Baixada, e assim como Paulo Baier também está de olho na artilharia dos pontos corridos. Com 82 gols, um a mais do que o capitão rubro-negro, o Coração valente quer manter a liderança e aumentar ainda mais sua marca.

“Como sou atacante, meu objetivo é de sempre fazer os gols, lutar pela artilharia. Sem esquecer que o mais importante são as vitórias da minha equipe. A marca de 82 gols é boa, mas quero fazer ainda mais”, disse, em entrevista exclusiva à Tribuna.

A passagem pelo Furacão, em 2004, marcou o nome do Coração Valente na história do clube. Para aumentar sua marca, o atacante terá de balançar as redes contra o Atlético, mas promete ser discreto na comemoração.

“Muitos podem achar bobagem, mas quero ser discreto ao fazer um gol em um clube pelo qual tenho grande identificação”, garantiu. Em 2008, jogando pelo mesmo Fluminense, o atacante marcou três vezes na Arena da Baixada e não comemorou. Neste ano, no confronto no Rio de Janeiro, o atacante voltou a marcar e festejou diante da sua torcida.

No confronto direto com Paulo Baier, o atacante sabe que tem uma certa vantagem por ser o homem de frente do Fluminense. Mas a qualidade do meio-campista atleticano nas bolas paradas preocupa Washington na “briga” particular entre eles.

“Teoricamente, tenho vantagem. Mas o Paulo já provou que sabe fazer gols de todo jeito, principalmente com a bola parada. Ele é um jogador moderno”, destacou.

E embora tenha um recorde pessoal em jogo, para Washington o que mais pesa na sua carreira é a história que tem construído, com parte dela conquistado no Atlético, quando marcou os 34 gols, maior recorde de um Brasileiro.