O clássico contra o Coritiba, amanhã, às 16h, no Couto Pereira, será um teste de fogo para o setor defensivo atleticano. Até agora, a zaga rubro-negra é a mais vazada do Campeonato Brasileiro – sofreu 13 gols em seis jogos.

Não é de hoje que a defesa atleticana não inspira confiança. Em toda a temporada, contando também o Campeonato Paranaense, quando esteve em campo o time sub-23, o Rubro-Negro, na condição de visitante, não tomou gols somente em três partidas. Foram duas pelo Estadual (1 x 0 contra Paranavaí e 1 x 0 contra o J. Malucelli) e uma pela Copa do Brasil (1 x 0 no Brasil de Pelotas).

Na reta final do Campeonato Paranaense, o setor defensivo do time atleticano já dava mostras de que iria deixar o torcedor apreensivo em 2013. Depois de sofrer 11 gols em 10 partidas, o Atlético tomou 7 gols nas duas últimas partidas fora de casa (4 x 1 para o Operário e 3 x 1 para o Coritiba) e fez crescer o índice negativo do setor defensivo atleticano.

Na segunda fase da Copa do Brasil, o Atlético passou a mostrar o que tem sido uma regra no Campeonato Brasileiro: a defesa tomando muitos gols e o ataque tendo um grande aproveitamento. Contra o América-RN, no estádio Barretão, o Furacão venceu por 6 x 2 e garantiu classificação antecipada para a próxima etapa da competição nacional.

No Campeonato Brasileiro, o Atlético já disputou três jogos longe de casa e o sistema defensivo não esteve bem. Foram oito gols sofridos nesses duelos e uma média preocupante de 2,66 por partida disputada longe de Curitiba. O time sofreu dois gols do Fluminense, três da Ponte Preta e outros três do Vitória.

Entretanto, mesmo com a irregularidade da defesa rubro-negra, o interino Alberto Valentim, que vai comandar o time somente no clássico Atletiba, não deve fazer mudanças no setor. Mas sob a orientação do diretor técnico Antônio Lopes, Alberto deve priorizar a marcação sobre o Alviverde para tentar surpreender e entregar o time ao técnico Vagner Mancini fora da zona de rebaixamento.