Desacreditado no início da temporada, o atacante Zé Eduardo salvou o Santos da derrota para a Portuguesa no domingo. O jogador, que tem contrato apenas até o fim do Paulistão, parece que já superou a fase de experiência no clube da Vila Belmiro.

“Eu venho tendo oportunidades e estou conseguindo corresponder. Só tenho de agradecer o apoio dos jogadores e do professor Dorival (Júnior), que confia muito no meu trabalho”, ressaltou o jogador.

Zé Eduardo entrou em campo aos 28 minutos do segundo tempo, no lugar do menino André. Deu fôlego novo ao ataque e fez um gol de puro oportunismo, aos 44 minutos, quando Paulo Henrique Ganso chutou, a defesa rebateu e ele mandou para o gol. “Eu nem sabia qual era o tempo de jogo quando fiz o gol”, comentou o jogador.

Ele sabe que dificilmente ganhará uma vaga entre os titulares, pois o elenco santista é forte e quem vem atuando tem jogado muito bem. Mas ele parece estar com a cabeça no lugar, ciente de que pode ajudar a qualquer momento. Nem os elogios de Robinho, no entanto, mudam seu discurso. “É muita responsabilidade ser elogiado por ele, mas isso deixo para ele falar. O Robinho já é um jogador de seleção e eu estou começando agora, com os pés no chão.”

O jogador sabe que terá de continuar batalhando para ter mais minutos em campo. O Santos tem um ataque envolvente e neste domingo vários jogadores que poderiam ser titulares em muitos times começaram na reserva, como o meia Marquinhos e Madson, xodó da torcida alvinegra, além do atacante Maikon Leite.

Do banco de reservas, Zé Eduardo viu a Lusa dominar o Santos no primeiro tempo, mas ele estava certo de que na etapa final a situação mudaria. Nem mesmo a sólida defesa adversária conseguiu pará-lo. “A Portuguesa marcou forte, mas graças a Deus pude fazer o gol.”