São Paulo – Diante do apelo do presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), Ary Graça, o técnico José Roberto Guimarães admitiu continuar no comando da seleção feminina. “O importante foi ter deixado as portas abertas. Não descarto voltar, tudo é para se pensar e discutir no futuro”, afirmou o treinador, na manhã de ontem, em entrevista ao programa Redação SporTV, da SporTV.

Depois da decepção por ter ficado com o 4.º lugar em Atenas, Zé Roberto anunciou sua volta ao time da Finasa/Osasco, mesmo porque seu contrato para dirigir a seleção acabou em agosto. Mas, em entrevista à Agência Estado na segunda-feira, o presidente da CBV garantiu que nem pensa em trocar o técnico da seleção. “Não há a menor possibilidade de o Zé Roberto ir embora”, avisou Ary.

“É sempre legal ver uma coisa como essa. Esse apoio do Ary Graça, que também foi total durante os cinco meses e meio de trabalho na seleção. Principalmente, depois da derrota para a Rússia (na semifinal das Olimpíadas), que foi muito traumática”, disse Zé Roberto.

Rexona

O técnico Bernardinho, medalha de ouro no vôlei feminino nas últimas Olimpíadas, assumiu ontem o comando do Rexona-Ades. Ele retorna ao comando da equipe onde ganhou duas edições da Superliga (1997/1998 e 1999/2000), quando o Rexona ainda estava em Curitiba.

Em sua apresentação, Bernardinho manteve o discurso de trabalho de equipe e que espera formar uma nova geração de jogadoras para a seleção feminina. “Estou satisfeito de voltar ao Rio. Quero agora contribuir para o voleibol e colocar várias dessas garotas na seleção brasileira”, afirma.