Foto: Divulgação

O espetáculo já foi premiado pelo Gralha Azul.

Fundada em 1994 como Carmin Cia de Artes, de Cleide Piasecki, a atual Benandantes Cia de Artes faz sua estréia em Curitiba dia 6 de junho, no Teatro José Maria Santos, com uma nova montagem do espetáculo A feia. Escrita e montada pela primeira vez em 1994, a peça fez temporada no Festival de Teatro de Curitiba e manteve-se em cartaz no Teatro Novelas Curitibanas até 1995, participando também de mostras e festivais pelo País, entre eles: Filo Londrina, II Mostra de Teatro Sertãozinho SP, 12.º Festival em São José dos Campos SP, Festival de Teatro Santos SP.

Ainda em 1995, a peça recebeu sete indicações e conquistou sete prêmios Troféu Gralha Azul nas categorias: Melhor espetáculo, texto e Direção: Cleide Piasecki, Ator: Laerte Ortega, Atriz: Regina Bastos, Ator Coadjuvante: Fernando Bachstein e Figurino: Laerte Ortega.

Com a atualização de seu primeiro texto, a autora e diretora Cleide Piasecki buscou aprofundar a discussão sobre os principais temas tratados no espetáculo: imagem, preconceito, religião, intolerância e banalização da morte.

Com uma exposição de fotos e vídeos no hall do teatro, a montagem homenageia dois grandes artistas do cenário paranaense: o artista plástico, autor e diretor, Raul Cruz, falecido em 1993, que fomentou intelectualmente a realização do primeiro espetáculo e Laerte Ortega, ator, autor e diretor, falecido em 1995, que participou de A feia (1994) no papel do pai, seu último trabalho de ator.

A peça conta a história de um casal acusado de matar a filha, por eles batizada de ?Feia?, que nasceu com deformidades físicas, o que, segundo seus conceitos, era inaceitável.

À medida que os fatos que culminaram com a morte da menina são apresentados no julgamento, há uma reconstituição da história da Feia desde o nascimento até sua morte aos quatorze anos. A peça utiliza-se de alguns mitos retirados de textos bíblicos como: Caim, a tentação da serpente, a criação e o livro de Jó, fazendo uma comparação destes com a história dos personagens, buscando investigar as possíveis origens do preconceito na sociedade.

O culto à beleza começou a ganhar força através da mídia nos anos 80 e espalhou-se rapidamente entre os adolescentes. Hoje, a cirurgia plástica tomou a frente na indústria da beleza. Jovens morrem implantando silicone, fazendo lipoaspiração, ingerindo medicamentos para emagrecer e desenvolvendo doenças graves como anorexia, bulimia, etc…

Serviço

A feia – Teatro José Maria Santos de 7 de junho a 1.º de julho. Ingressos R$ 16,00 inteira e R$ 8,00 meia-entrada.