David Bowie tornou-se uma lenda antes mesmo de morrer no último domingo, 10, após 18 meses de batalha contra um câncer. Além dos hits que influenciaram gerações, o cantor britânico deixou seu legado na arte e na moda com figurinos e maquiagens questionadores, que abordavam a questão do gênero de maneira direta e provocadora. A cada novo álbum, um novo personagem tão vanguardista quanto o anterior.

Bowie quebrou barreiras com seu estilo que variou de um jovem sério e engomadinho, com terno e gravata, a personagens como Ziggy Stardust e Aladdin Sane, com roupas extravagantes e maquiagem colorida. Ele influenciou a moda por décadas e fez da liberdade de se vestir sua bandeira.

Em 1972, declarou-se gay em uma entrevista ao jornal Melody Maker, coincidindo com o lançamento de Stardust, sua personalidade andrógina. Quatro anos depois, ele disse à revista Playboy que era bissexual, mas anos mais tarde disse que à revista Rolling Stone que “sempre foi um heterossexual no armário”. Na moda e na música, Bowie sempre soube se reinventar sem ficar preso a padrões.