Anelis Assumpção e Curumin dividem o mesmo palco nesta quinta-feira (9). Haja malemolência, multireferências, sagacidade, batuque, groove… É uma amostra única da chamada Nova MPB produzida em São Paulo.

Percussionista, compositora e cantora de primeira, Anelis Assumpção traz à Curitiba um show onde apresenta uma série de composições próprias com “um tempero” que não se encontra em outras cozinhas.

Com a sagacidade de quem canta na fluência das melhores conversas de botequim, a filha de Itamar Assumpção, que ficou conhecido como o “maldito da MPB”, encontra o ponto certo do molho na mistura de uma descompromissada poesia com um balanço refogado na fervura do samba, do reggae, do hip hop e da chamada vanguarda paulistana – expressão essa, designada para identificar a inclassificável música de seu pai e comparsas como Arrigo Barnabé.

E mais: trata-se de uma monstra no palco que interpreta com maestria letras próprias ao mesmo tempo simples e ironicamente requintadas. Seu show quase teatral acaricia o público masculino com tapas de luvas de pelica e diverte jovens mulheres ao apresentar musicalmente “situações e sensações” típicas vividas cotidianamente, amorosamente e contemporaneamente por jovens mulheres brasileiras. Uma reviravolta no universo sambístico, onde quem costuma “passar a vez” são os homens. Não entendeu? Só vendo e ouvindo mesmo…

E Curumin traz aos poucos o show do bombástico CD “JapanPopShow”, lançado no ano passado. Se a música brasileira é tradicionalmente pensada como uma mistura de ritmos de vários cantos do mundo, o mesmo acontece com chamada nova MPB, da qual Curumin é um excelente representante.

Cosmopolita, seu disco plurireferencial não só mistura elementos musicais de diferentes localidades, mas também de diferentes temporalidades: entre os elementos bricolados pelo baterista, estão ritmos africanos e a música pop japonesa televisionada nos anos 80.

Raízes africanas, tronco pop oriental, galhos e folhas antenados com a tecnologia da produção musical contemporânea. Da receita antiga feita com alguns ingredientes clássicos, outros contemporâneos e outros inusitados, Curumin cria, uma coisa nova: “a sua música […,] que mesmo depois de todas estas transformações, pode-se ser ainda chamada de Música Brasileira.

Serviço:

Local: Era só o que Faltava (Avenida Republica Argentina 1334).

Data: 09.04.2009 (Quinta-feira).

Horário: a partir das 22 horas.

Preços: 1º lote (100 convites) – R$ 10,00. Após R$15,00.

Ingressos promocionais antecipados no local.