A produção de um som mais pesado surpreendeu quem julgava a banda Fresno como um grupo “emo”, de som pop. O quinto CD do grupo, lançado recentemente, trouxe mais riffs de rock, resgatando a raiz da banda presente nos álbuns anteriores ao sucesso.

No álbum Revanche (Arsenal Music) se destaca a música tema, já tocada nos shows há cerca de um ano, e a música Deixa o tempo, primeiro single do novo álbum, que teve o clipe divulgado em maio. A produção, mais uma vez, é de Rick Bonadio, experiente empresário que acompanha os rapazes desde 2007.

Lucas Silveira é vocalista, guitarrista e ainda toca teclado. Rodrigo Tavares é o homem do contra-baixo. Bell Ruschel é responsável pela bateria da banda. Gustavo Mantovani, o Vavo, é guitarrista e um dos mais antigos integrantes do grupo. Ele garante que, pela primeira vez, os elogios ao trabalho do grupo são unânimes.

“No Orkut, fotolog, Twitter, todos que entram em contato conosco elogiaram muito nosso novo álbum. Ano passado nos destacamos no cenário da música, ganhamos vários prêmios, mas a música mais famosa era com violão e piano. Agora temos mais riffs de guitarra”, revela.

Para Vavo, com essa produção um pouco mais pesada e mais madura a banda pretende conquistar, além dos jovens fãs, um público diferente. “Foi na turnê do CD Redenção que ficamos famosos. O álbum tinha uma pegada mais pop, e foi por isso que ficamos com a imagem de banda pop. Queremos mostrar o contrário para as pessoas que não conheciam a fundo a banda e por isso nos criticavam. Nosso primeiro CD era ainda mais pesado do que o Revanche”, afirma.

A banda surgiu no Rio Grande do Sul, celeiro de vários outros grupos de sucesso nacional como Cachorro Grande e Papas na Língua. Para Vavo, a influência do cenário rock gaúcho é tanta que, no estado, nem o sertanejo universitário tem vez.

Fãs

Sobre a responsabilidade de ser o ídolo de milhares de jovens pelo País, Vavo acredita que a fase de histeria e fanatismo já passou. “Temos fã clube de seis ou sete anos por todo o País. É uma galera que a gente consegue fidelizar.. ele vira torcedor, veste a camisa da banda e levanta nossa bandeira”, conta.

Como o cenário do rock, para os mais jovens, está repleto de bandas com perfil muito semelhante, fica difícil para que as bandas consigam encontrar um público fiel como o da banda Fresno. Questionado sobre a disputa com outras bandas que se destacaram no cenário nacional no ano passado, Vavo é convicto em dizer que tem fã para todo mundo. “Quem ouve uma banda também ouve outra, não tem disputa. Encontramos recentemente o Fiuk e o pessoal do Restart em alguns shows. São gente boa, mas temos pouco contato. Geralmente tocamos com as bandas da nossa época, como o NXZero”, lembra.

Shows

“Agora que o CD saiu vamos esperar a galera decorar as músicas. No final de setembro ou início de outubro, sairemos com cenário novo e músicas novas ensaiadas e prontas pro show”, conta o guitarrista. Os paranaenses poderão conferir a banda no dia 7 de agosto, na cidade de Capanema, no Sudoeste do Estado.