Luiza Dantas/Carta Z Notícias
André di Biase: mudança.

Quando recebeu a primeira ligação de Thiago Santiago sobre Caminhos do coração, André di Biase viu que sua vida profissional teria uma reviravolta. O ator, que dará vida ao mau-caráter Aristóteles na próxima novela das 22h da Record, já estava cansado de viver o ?paizão? Vinícius, em Malhação desde 2001, e sentia a necessidade de experimentar outras coisas na tevê. ?A novela tem mutações genéticas, romance, aventura e clima policial, mas precisava de um pouco de humor para equilibrar?, afirma André. Foi com esse discurso que Thiago conseguiu fazer com que André, ao término de seu contrato com a Globo, em janeiro, informasse à emissora que estava mudando de casa. ?Eles entenderam. Já saí da Globo antes e foi tudo bem?, diz.

 Na história, André interpreta um homem que, depois do assassinato do irmão mais velho, só pensa em garantir seu futuro faturando a herança. Mas para isso, ele tem de enfrentar a cunhada Irma, personagem de Patrícia Travassos. Sua rival é casada com Platão, interpretado pelo ator Ricardo Petraglia, que vive tentando faturar o dinheiro deixado pelo morto. Segundo André, os dois serão responsáveis por alguns dos momentos mais engraçados da novela. ?Eles brigam feito cão e gato. O legal é que eu e a Patrícia nos conhecemos há décadas, trabalhamos juntos algumas vezes e temos uma química boa para a comédia?, avalia.

A primeira preocupação de André antes de começar a gravar Caminhos do coração foi, ao lado do autor, encontrar um visual que não lembrasse seu último personagem. E, depois de algumas idéias, eles encontraram a solução em uma prótese para esconder a calvície característica do ator. O resultado, por enquanto, já deu certo na ?cabeça? de André. ?Eu saio na rua e nem todo mundo reconhece. Ficou mais difícil aquela associação rápida ao André di Biase. Acho que vai funcionar bem no ar?, opina. O ator faz questão de deixar claro que não se trata de uma peruca. A prótese é colada e não atrapalha André em suas atividades de lazer favoritas. ?Consigo surfar, jogar vôlei, fazer tudo normalmente?, explica o ator, que tem orgulho em dizer que já completou 50 anos.

Famoso por sua atuação como o aventureiro Lula do seriado Armação Ilimitada, André acabou ficando marcado por personagens que ficaram em sua vida por mais tempo que o planejado. Aconteceu na série, que durou de 1985 a 1990, em Malhação, de 2001 a janeiro de 2007, e no filme Menino do Rio, que ganhou uma continuação nos cinemas. ?Não sei se é sorte, mas alguns papéis insistiram em não me largar?, diverte-se. Mesmo com a brincadeira, André ainda lembra com saudade do tempo em que gravava Armação Ilimitada e chega a se emocionar quando se lembra que o projeto de exibir na tevê uma produção independente idealizada por ele e pelo amigo e colega de trabalho Kadu Moliterno não deu certo. Os dois pediram demissão da Globo e começaram a produzir um seriado próprio. Chegaram a deixar dois episódios prontos, mas o Plano Collor confiscou o dinheiro que os dois pretendiam usar e o sonho acabou ali. ?Pensamos em tentar produzir um longa-metragem, mas a época não era boa para o cinema nacional?, recorda.

O sonho de produzir um seriado ou um programa que misture aventura e jornalismo, outro projeto do ator, pode não estar tão distante. André assinou contrato com a Record por três anos e pretende, no futuro, conversar com a direção da emissora para tentar emplacar alguma de suas idéias. Mas por enquanto, prefere se dedicar à teledramaturgia e esperar o momento certo para se arriscar em outro campo. ?Temos que ter cuidado e subir um degrau de cada vez. Estou curtindo fazer essa novela e acho que vou me divertir muito até o final. Depois, paro e penso no resto?, conclui.