Há 25 anos, Michael Stanton estuda e dá aulas de Literatura Inglesa na Universidade de Vermont, em especial sobre Dickens, Melville e J.R. Tolkien. Com esta autoridade, ele reuniu o que sabe sobre o Senhor dos Anéis e escreveu Hobbits, Elfos e Magos, que a Frente Editora traz aos leitores brasileiros, já que vivemos o advento de Tolkien no cinema.

Para Stanton, o livro do escritor inglês é um santuário de lingüística, um mito heróico, fábula religiosa, uma obra literária, recriação da Europa pré-cristã, um romance antibélico. Tolkien levou 17 anos para escrevê-lo e foi editado na Inglaterra em 1954 por um aparentemente convencional professor de inglês, órfão de pais desde os 12 anos, católico, pai de quatro filhos e conhecido como um inventor de línguas (antes de entrar na adolescência, Tolkien tinha criado dois ou três idiomas e durante sua vida criou mais uma dúzia pelo menos).

Tudo começa na palavra, pois afirmou Tolkien que “a invenção do idioma é o fundamento… O nome vem em primeiro lugar e a história se segue”. O fato é que ele tinha um fantástico senso de imaginação, uma fantasia ilimitada e seus personagens – hobbits, elfos e magos – têm características próprias e sofrem os efeitos de uma peculiar geografia moral: o bem flui do oeste e a ele volta… O ataque ao mal vem sempre do oeste. A Terra-Média, cenário da história, fica entre as forças do bem e do mal, campo de batalha de O Senhor dos Anéis.

Quem leu e se apaixonou pelos personagens não vai largar Hobbits, Elfos e Magos, pois que Stanton decifra em grande parte a recriação do mundo de J.R. Tolkien e responde às centenas de indagações a ele trazidas por seus alunos, durante todos os anos em que participou de discussões e deu aulas sobre o tema.