“Um showzaço”. Essa é a promessa de Marília Mendonça, que se apresenta nesta sexta-feira (2) pela primeira vez sozinha em Curitiba. A cantora, que pouco a pouco ganha o Brasil, disse que está ansiosa para tocar na capital paranaense, cidade que anteriormente teve a oportunidade de passar num festival.

“O público me recebeu com um carinho imenso. Fiquei extremamente feliz e sou muito agradecida por poder voltar. Vai ser um showzaço, cheio de momentos marcantes”, comentou a cantora de Goiás, em entrevista à Tribuna do Paraná. Pra ela, saber que Curitiba se tornou uma das cidades que mais gosta de sertanejo aumenta a ansiedade. “Já estou indo sabendo que a recepção será calorosa e muito gentil”.

Marília traz a turnê do DVD Realidade, gravado em Manaus. No repertório, as músicas não seguem um padrão específico e a cantora promete que não vão faltar sucessos. “Meu show traz as minhas principais músicas, mas gosto de brincar e fazer um funk. Deixo o público bem à vontade, mas por se tratar de uma turnê tenho que fazer tudo. Estou com saudades e muita vontade de levar à Curitiba meus novos sucessos como Amante não tem lar e Eu sei de cor”, adiantou.

A cantora, que começou sua vida artística muito cedo – ainda criança, aos 12 anos -, hoje se vê entre os principais nomes do sertanejo. Pra ela, ainda tem sido um aprendizado diário somado a muita alegria. “Me sinto bem (em saber onde chegou), fico feliz. Isso me surpreende, as coisas aconteceram rápido pra mim, por isso tento aprender sempre e me preparar cada vez mais”.

Conhecida pelas composições que já foram gravadas por muitos artistas famosos, Marília já sabe que o mundo que tem entrado cada vez mais é um caminho que pode não ser tão duradouro. “As coisas são muito rápidas na música. Ficam os que mantêm seu estilo, mas se renovam ao mesmo tempo”. A cantora, que vem num momento em que as mulheres estão dominando o sertanejo, avalia isso como algo positivo. “Acho que o público tem se identificado com as verdades das mulheres, isso faz diferença”.

Pra ir entrando no clima, vamos de música?