Lembram do ator Guilherme de Pádua? Se você não lembra pelas novelas ou peças de teatro que ele fez, certamente lembra dele das páginas policiais. O assassino confesso da também atriz Daniella Perez, filha da autora de novelas Glória Perez, publicou um vídeo em suas redes sociais declarando apoio ao candidato à presidência Jair Bolsonaro (17).

No vídeo que ele mesmo gravou, Pádua diz que só os radicais acreditam que Bolsonaro vai perseguir negros e gays como Hitler. “Gente, eu tô impressionado. Eu vi pessoas formadas, até com mestrado, sabe, pessoas assim que poderiam ter doutorado, acreditando que o Bolsonaro vai perseguir os negros e os gays como Hitler perseguiu os judeus. É impressionante como os radicais conseguem colocar loucuras na cabeça das pessoas”, afirmou.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

“Mas olha, é importante lembrar: quem está decidindo as eleições não são os radicais, nem de direita, nem de esquerda. São os moderados, aqueles que querem um Brasil melhor, que querem um Brasil pacificado. Então, seja quem ganha. Parece que a chance é maior do Bolsonaro. Ele vai ter que governar para os brasileiros., senão daqui quatro anos, ou antes disso, o povo já escolhe outro”, conclui ele.

A reação nas redes sociais foi imediata. Uma das críticas mais contundentes foi do também ator, José de Abreu, que aproveitou para criticar o posicionamento de Regina Duarte. Ela, que ficou famosa também pela frase “Eu tenho medo”, na campanha que elegeu Lula para o seu primeiro mandato, também apoia Bolsonaro.

Depois que foi solto, Guilherme de Pádua virou pastor evangélico. No começo da década de 90 ele matou Daniella Perez com o apoio de sua esposa junto com a sua então esposa, Paula Thomaz. O crime gerou muita comoção na época, pois a atriz foi morta com 19 facadas. Pádua foi condenado a 19 anos de prisão e 6 meses por homicídio qualificado, mas cumpriu apenas um terço da pena em regime fechado.