Patrick Swayze morreu em 14 de setembro de 2009. Vai fazer seis anos. Nesta terça, 18 de agosto, ele estaria completando 63 anos. Mais um leonino – como Robert De Niro, Sean Penn, Robert Redford e Roman Polanski. Patrick Swayze nasceu em Houston, Texas. Na juventude, foi jogador de futebol americano e, depois, bailarino clássico, mas teve de abandonar o balé por causa de lesões causadas pelo esporte. Abandonou o balé (clássico), mas não a dança.

Pense nele e a primeira imagem poderá ser a do instrutor de dança do resort de luxo de Dirty Dancing – Ritmo Quente. É em seus braços que a herdeira Frances ‘Baby’ Houseman descobre que (I’ve Had) The Time of My Life, e ela não apenas adquire uma nova percepção da vida como a canção do filme de Emile Ardolino ganhou o Oscar e catapultou a trilha a alturas estratosféricas.

Poucas trilhas venderam, tanto, e tocaram tanto. Mas em vez do esfuziante Patrick Swayze dançarino, você pode lembrá-lo na cena romântica de Ghost – Do Outro Lado da Vida, de Jerry Zucker.

Demi Moore e ele enlaçam as mãos no barro, ao som de Unchained Melody. Na evolução da história, Patrick morre e volta para proteger a amada, utilizando-se da vidente Whoopi Goldberg para se comunicar com ela.

Grande êxito de público, Ghost fez chorar o público de todo o mundo e prenunciou a onda de comédias (e dramas) espíritas que, desde então, volta e meia ocupam as telas. Filho de uma coreógrafa – foi na academia da mãe que conheceu Lisa Niemi, com quem se casou em 1975, aos 23 anos, permanecendo unidos até sua morte -, Patrick estreou em 1979 com um pequeno papel em Skatetown, USA. Logo estava participando de filmes emblemáticos – Vidas sem Rumo/The Outsiders, de Francis Ford Coppola, e Amanhecer Sangrento, de John Milius.

É curioso que tenha sido indicado muitas vezes para o Globo de Ouro de melhor ator – e para a Framboesa de Ouro de pior ator, mas nunca pelos mesmos filmes. Patrick morreu aos 57 anos, depois de lutar bravamente durante dois anos contra um câncer no pâncreas. Cantor e compositor – de She’s Like the Wins, incluída na trilha de Ritmo Quente -, não custa lembrar que, em 1991, quando estava no auge, foi eleito o homem mais sexy do mundo pela revista People.