A British Library colocou em sua página na internet versões digitalizadas das primeiras edições de 21 das peças de teatro do dramaturgo William Shakespeare (1564-1616), com anotações e bilhetes do próprio autor nunca vistos antes. Além dos textos, impressos durante a vida do escritor, o acervo virtual da famosa biblioteca inclui alguns panfletos originais das obras, vendidos à saída do teatro Globe de Londres.

Os panfletos “in-quatro” (com folhas dobradas em quatro, ao invés de em duas) trazem anotações manuscritas do autor e colocam em dúvida a teoria das “versões definitivas” das obras do bardo inglês.

Um dos exemplos das mudanças feitas pelo autor é encontrado na peça “Hamlet”, cujo famoso trecho “to be, or not to be, that is the question” (“ser ou não ser, eis a questão”), só aparece num panfleto de 1605, enquanto numa edição de 1603, escrita pelo próprio dramaturgo, lê-se: “to be, or not to be, I there?s the point” (expressão arcaica com o mesmo significado).

“Os panfletos eram edições baratas, escritas pelo próprio Shakespeare e vendidos por poucos centavos”, comentou Moira Goff, diretora do acervo de manuscritos britânicos do período 1501/1800.

“Como Shakespeare não deixou manuscritos, os textos dos panfletos são o que existe de mais próximo ao que ele realmente escreveu”, acrescentou Goff, indicando que no site www.bl.uk/treasures/shakespeare/homepage.html também 

se pode ter acesso ao Primeiro Fólio (compilação) original de suas obras, publicado poucos anos após a morte do dramaturgo, em 1616.

O trabalho de digitalização incluiu não só as obras de Shakespeare, mas também cópias para ensaios ou textos reproduzidos pelos intérpretes das peças do genial escritor. Muitos desses documentos foram comprados pelo rei Jorge III no século XVIII, e depois doados à British Library.

Entre os textos colocados na página da biblioteca, estão as versões integrais de “O rei Lear”, “Sonhos de uma noite de verão”, “Hamlet”, “Romeu e Julieta”, “O mercador de Veneza” e “Otelo”.