No dia em que em Dalton Trevisan completa 87 anos, 14 de junho, a Biblioteca Pública do Paraná inaugura a exposição A eterna solidão do Vampiro. Trata-se de uma mostra fotográfica que surgiu a partir do legado do contista curitibano.

O fotógrafo Nego Miranda registrou os cenários por onde os personagens de Trevisan circulam, como ruas, praças, fachadas de casas, prédios e outras construções da capital paranaense. “Queria retratar a alma do curitibano, o porão da alma do curitibano. E quem conhece melhor a cidade do que o Dalton?”, comenta Miranda, a respeito de seu projeto que, inicialmente, resultou no livro A eterna solidão do vampiro (2010).

Agora, algumas das imagens clicadas por Miranda ganham espaço no hall de entrada da BPP ? até 27 de julho. “Minha ideia não foi lançar luz sobre a misteriosa literatura de Dalton, mas sim realçar esse ar sombrio. Quis reforçar essa coisa densa. Por isso, fiz algumas fotos às 4 da manhã, por exemplo. Não é aquela Curitiba do Bondinho, é uma Curitiba pesada”, diz Miranda, explicando o seu projeto. Além desta exposição, a BPP também homenageou Dalton Trevisan na edição de junho do jornal Cândido ? as 32 páginas são dedicadas integralmente à obra do escritor, com ensaios, reportagens, depoimentos, fotografias e ilustrações.

Serviço:

A eterna solidão do Vampiro – Exposição de fotografias de Nego Miranda.
Hall de entrada da Biblioteca Pública do Paraná. R. Cândido Lopes, 133.
Horário: 2.ª a 6.ª, das 8h30 às 20 horas. Sábado, das 8h30 às 13 horas.
Abertura: 14 de junho. Até 27 de julho.
Entrada franca.