A última passagem da atriz e humorista Cláudia Rodrigues por Curitiba continua rendendo polêmica. Alguns dias depois de alegar ter sido agredida pelo segurança de um shopping da capital paranaense, agora ela afirmou que o estabelecimento se negou a ceder a seus advogados as imagens das câmeras de segurança do local. Com base nas filmagens ela provaria que foi agredida, junto com sua filha e empresária, por um segurança do local que tentou impedi-la de tirar uma foto em frente a um painel em que havia estampada uma foto sua.

“Acabo de receber a notícia do meu jurídico que o Shopping Crystal respondeu nossa notificação extra judicial onde pedimos as filmagens para mostrarmos as agressões que sofri do segurança do Shopping Crystal em Curitiba.
E vocês não vão acreditar na resposta deles, estou indignada com isso, eu não entendo”, começou o desabafo. “Com relação ao pedido de entrega das imagens, eles tiveram a coragem de responder que não existem câmeras de segurança instaladas próximo ao local onde estava o painel”, continuou.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Na mesma postagem ela anexou algumas fotos que, segundo ela, provariam que no local há sim câmeras de vigilância. “Gente o que vocês vêem ao redor do painel? Não são câmeras de segurança? Pois é, porque não vejo só uma câmera, mas 4 só no espaço onde estava o painel, como mostram as três fotos a seguir”.

A atriz se mostrou indignada com o que classifica como tentativa do shopping em ocultar as provas que mostrariam a agressão que ela teria sofrido. “Quero as imagens! É meu direito. Querem esconder o que fizeram comigo. Não vou deixar”.

O que diz o shopping?

Os representantes do estabelecimento seguem negando excessos por parte de seus colaboradores e enviou uma nota oficial sobre a última postagem de Cláudia.

“O Shopping fez contato com a assessoria da atriz Claudia Rodrigues informando que as imagens estão à sua disposição para visualização na administração do shopping. Além das imagens em questão – que indicam que não houve agressão física por parte do segurança – o shopping fez questão de conversar com diversas pessoas presentes no horário do ocorrido que atestaram que não houve nenhum tipo de agressão física ou verbal”.

“Eu queria vomitar”, diz mulher abusada por João de Deus