Show de Safadão foi até o amanhecer. Foto: Eder William Machado/Divulgação.
Show de Safadão foi até o amanhecer. Foto: Eder William Machado/Divulgação.

Quando Wesley Safadão começou a cantar, há mais de 15 anos, lá em Fortaleza, no Ceará, ele jamais imaginou que chegaria onde conseguiu. Aos poucos, com muito trabalho e de uma forma que só ele soube fazer, Safadão, como se tornou conhecido, ganhou o Brasil. E até Curitiba, que demorou a se render, hoje está entre as cinco cidades que mais ouvem as músicas do nordestino.

Para ele, isso é a realização de um grande sonho e podemos dizer que, no último final de semana, depois de se apresentar várias vezes na capital paranaense com um show só dele, Wesley Safadão conquistou mais um: trouxe seu próprio festival à Curitiba, o Garota VIP. O cantor agitou geral e mais de 20 mil pessoas ficaram até o dia amanhecer, com Safadão saindo do palco da Arena Expotrade, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), só depois das 7h.

“A ideia do Garota VIP sempre foi bem essa mesmo, de amanhecer o dia com muita música, eu entrar no palco às 3h e ficar até o sol raiar. Queria muito estar no Paraná e chegou nosso dia, com uma festa bonita assim como aconteceu em todos os outros lugares que passamos”, comentou Safadão à Tribuna do Paraná, antes do show. Veja a entrevista completa:

+Leia  também: Apesar das críticas, Pabllo Vittar segue brilhando e é resistência LGBTQ

Além de Safadão, a primeira edição do Garota VIP em Curitiba contou com outros nomes que destoam um pouco do estilo do nordestino, mas o próprio cantor diz que isso é intencional. “Buscamos dar uma mistura de ritmos, por isso trouxemos o Léo Santana que é do pagode, os DJ Denis e o Jopin e o sertanejo com a dupla Zé Neto & Cristiano. São artistas que o povo pede e aí, por fim, o Safadão amanhece o dia. O resultado, por onde a gente passa, sempre é muito positivo”.

Com o festival, Safadão já tinha passado por várias outras capitais, mas assim como demorou a vir a Curitiba sozinho, também não foi fácil chegar com um projeto tão diferente. “Nós ainda não tínhamos feito, assim como ainda não fizemos em outras capitais, por causa das leis que colocam restrição de horário e tudo mais. Foi por isso não tínhamos feito ainda, mas deu certo e espero que, na próxima edição do Garota VIP em Curitiba, a gente consiga dobrar a meta e fazer mais tempo ainda de show”.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Apesar do sucesso do cantor em terras paranaenses, não foi nada fácil trazer o festival à região de Curitiba. Foto: Lucas Sarzi
Apesar do sucesso do cantor em terras paranaenses, não foi nada fácil trazer o festival à região de Curitiba. Foto: Lucas Sarzi.

O Brasil é dele!

Conquistar o país, para ele, não foi nada fácil. Safadão começou sua carreira na banda Garota Safada, que inclusive hoje em dia deu nome ao festival. Hoje em dia, ele carrega consigo a vitória de muitos projetos bem-sucedidos, shows em todas as regiões e até um cruzeiro com seu nome. Safadão tem quase cinco milhões de ouvintes mensais: Curitiba está em quarto lugar, entre as cinco cidades que mais ouvem o som de Safadão, com quase 300 mil ouvintes mensais.

“Nosso país é muito grande. Vivi minha vida toda no Nordeste e vivia muito bem, sempre tivemos projetos com consistência, mas lá longe”, disse Safadão, relembrando o passado. Segundo o cantor, o sonho de ir além sempre foi algo fixo e hoje ele pode comemorar que isso aconteceu. “Pouco a pouco foi dando certo, demorei a vir para o Sul e ter sucesso em outras regiões é uma realização muito grande, um grande sonho. Ainda mais estando tão distante de onde surgi”.

+Leia também: Larissa Manoela publica foto de cara limpa e diz: “A testa é grande, sim”

Depois de muita dedicação, Curitiba se tornou a quarta cidade do país que mais ouve o cantor, de acordo com estatísticas das plataformas digitais. Foto: Lucas Sarzi
Depois de muita dedicação, Curitiba se tornou a quarta cidade do país que mais ouve o cantor, de acordo com estatísticas das plataformas digitais. Foto: Lucas Sarzi

O que vem por aí?

Com o Brasil todo conhecendo seu nome e sabendo quem é Wesley Safadão, o cantor afirma que já até pensou em tomar rumos ainda maiores, mas ainda guarda ressalvas e se preocupa com não dar um passo menor que a perna. “Carreira internacional nunca foi descartada, mas sempre gosto de firmar o quanto dá trabalho você ter um público no seu show, de Norte a Sul”.

Para o ano que vem, não se assuste se você ver por aí a sigla WS se referindo ao cantor nordestino. Isso porque o próprio Wesley Safadão explica que é uma marca que deve ganhar ainda mais força em 2019. “A sigla WS virou uma marca e vem porque as pessoas me chamam mais de Wesley ou Safadão, nós juntamos e criamos o WS”, detalhou ele, reforçando que o novo ano deve ser cheio de novidades. “Temos clipes e novos álbuns. Mas como eu disse, dá trabalho, ainda mais para você se manter bem, entre os cinco, entre os 10, diante de tanta gente boa no mercado. É difícil”.

Como anunciado anteriormente, em 2019, Safadão pretende 'mudar' seu nome para WS para reforçar a marca. Foto: Lucas Sarzi
Como anunciado anteriormente, em 2019, Safadão pretende ‘mudar’ seu nome para WS para reforçar a marca. Foto: Lucas Sarzi

Fernanda Gentil e Priscila Montandon casam em segredo