A predileção do público por musicais não deve arrefecer em 2013. Para contemplar a demanda, estão previstas desde criações originalmente brasileiras até superproduções de títulos importados. Mais destacada estreia dessa safra deve ser “O Rei Leão”, que entra em cartaz no dia 7 de março. Um dos maiores sucessos de bilheteria da Broadway, a adaptação da obra cinematográfica está em cartaz em Nova York desde 1997, arrecadou mais de US$ 4,8 bilhões e já mereceu montagens em 15 países. Para o Brasil, as canções originais de Elton John e Tim Rice foram adaptadas por Gilberto Gil. Também haverá estrangeiros no elenco: dos 57 atores escalados, oito serão sul-africanos, conhecedores do idioma zulu.

Outra obra que fez sucesso nos cinemas e também ganhará os palcos é “O Mágico de Oz”. Os onipresentes Charles Möeller e Claudio Botelho dirigem o musical que chega ao Teatro Alfa em fevereiro. Inspirado no clássico filme de 1939, a produção orçada em R$ 8 milhões estreou no Rio em junho do ano passado. Trazia Lucio Mauro Filho como Leão Covarde, Malu Rodrigues como Dorothy e Maria Clara Medeiros como a Bruxa Má. Os figurinos são de Fause Haten.

“Quase Normal” é um musical que também vem da Broadway, mas destoa um pouco da leveza que se costuma atribuir ao gênero. Com música de Tom Kitt e letra e texto de Brian Yorkey, a criação retrata as agruras de uma família: uma dona de casa, um pai abnegado e seus dois filhos. A protagonista é interpretada por Vanessa Gerbelli e a direção da versão nacional está a cargo de Tadeu Aguiar.

As produções que se inspiram criações norte-americanas continuam a ser maioria. Mas, aos poucos, recebem a companhia de títulos brasileiros. “Milton Nascimento – Nada Será como Antes” é um musical concebido em homenagem ao compositor da MPB, que acaba de completar 70 anos.

Charles Möeller e Claudio Botelho assinam argumento e direção da obra, que está prevista para chegar em maio ao Teatro Geo. Sem os efeitos especiais e a estrutura grandiosa que costumam caracterizar suas outras montagens, a dupla privilegiou a música de Milton. Um elenco jovem canta 50 de suas canções, entre elas sucessos como “Nos Bailes da Vida” e “Maria, Maria”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.