O conflito de gerações, onde um pai (interpretado por Fúlvio Stefanini) e um filho (Rodrigo Lombardi) passam por momentos de crise, se encontram e colocam suas diferenças a limpo. Esta é a temática do espetáculo A grande volta, que será encenado neste final de semana, no teatro Fernanda Montenegro, em Curitiba.

Dirigida por Marco Ricca, a peça é uma comédia dramática, de autoria do dramaturgo belga Serge Kribus. Escrita no ano 2000, foi o último texto traduzido pelo ator Paulo Autran, que faleceu em 2007, aos 85 anos de idade. Já foi montada em diversos países, entre eles França, Bélgica, Suíça e Argentina.

“A tradução feita por Paulo Autran é muito boa. Como não poderia deixar de ser, é extremamente teatral. Paulo tinha a intenção de montar o texto, mas acabou não tendo tempo. Posteriormente, a história chegou às mãos de Marco Ricca, que lembrou de mim para interpretar o pai”, diz Fúlvio Stefanini.

O espetáculo estreou no último mês de maio, em São Paulo. Nele, Henrique (papel de Lombardi) é publicitário e acaba de perder o emprego e a mulher, que sai de casa levando seu filho pequeno.

Não bastasse tudo isso, seu pai, Boris (de Fúlvio), decide se mudar para sua casa sem aviso prévio. Boris é um velho ator, afastado dos palcos há vários anos, que está prestes a retornar ao trabalho interpretando Rei Lear, personagem clássico de Willian Shakespeare.

“Pai e filho não se veem há muito tempo. Porém, quando chega na casa do filho para contar que vai voltar ao teatro, o pai encontra um ambiente nada amistoso. Isto acaba sendo o ponto de partida para que os dois façam quase que um acerto de contas”, conta o ator. “A narrativa é tão interessante que, no seu desenrolar, vai mostrando que pai e filho são exatamente iguais”.

Serviço

A grande volta. Hoje e amanhã às 21h e no domingo às 19h, no Teatro Fernanda Montenegro (Alameda Dom Pedro II, Shopping Novo Batel). Ingressos: R$ 80,00.